Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Bruno Henrique pede futebol consistente para Palmeiras se dar bem na Libertadores

Equipe de Felipão enfrenta o Junior Barranquilla, quarta-feira, em sua estreia na competição continental

Redação, Estadão Conteúdo

04 de março de 2019 | 10h53

O Palmeiras fará nesta quarta-feira a sua estreia na Copa Libertadores. Coincidentemente, o adversário e o local serão os mesmos da primeira partida da edição do ano passado: o Junior Barranquilla, da Colômbia. Em 2018, o time alviverde venceu por 3 a 0. Agora, a receita dada pelo volante e capitão Bruno Henrique é mostrar consistência em campo.

"A receita é jogar um futebol consistente. Ano passado, principalmente fora de casa, a gente foi consistente e eficiente. O adversário acaba propondo mais o jogo e a gente precisa estar muito ligado, igual a 2018. Ofensivamente, quando tivermos as oportunidades, temos de fazer os gols. Para esse ano, temos de melhorar o que fizemos ano passado e se preparar muito bem para fazer uma partida boa defensiva e ofensivamente", explicou.

A partida contra o Junior Barranquilla será especial para Bruno Henrique. No ano passado, o volante foi titular pela primeira vez na temporada diante dos colombianos, teve uma atuação impecável, com direito a dois gols, e não saiu mais do time. Virou até capitão na sequência.

"Tenho um carinho especial pelo jogo contra o Junior porque foi o meu primeiro como titular no ano passado e tive a felicidade de atuar bem e marcar dois gols. Foi muito bom também coletivamente começar a Libertadores vencendo um adversário muito difícil e como visitante. Depois daquele confronto, tive uma continuidade e consegui atuar o ano todo. Tenho um carinho especial sim, mas agora é virar a página e temos de fazer tudo de novo. Temos de entrar muito ligados para buscar um resultado positivo", afirmou.

Com a boa sequência - terminou 2018 com 66 jogos e 16 gols -, Bruno Henrique acabou premiado com a faixa de capitão, tanto pela performance em campo quanto pela liderança no vestiário. "Não imaginava a faixa de capitão naquele momento e recebi essa honra de uma maneira muito positiva. A responsabilidade aumenta, são várias coisas que mudam um pouco, mas soube lidar bem com isso e procuro estar sempre melhorando", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.