Cristiane Mattos/AFP
Cristiane Mattos/AFP

Bruno vai precisar de quase dois meses para entrar em forma

'Vamos deixar rolar', afirmou o jogador após o primeiro treino

Gonçalo Júnior, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2017 | 07h00

Depois dos quase sete anos de prisão, o goleiro Bruno vai precisar de cerca de 50 dias para ficar em forma técnica e física. Esta é a previsão da comissão técnica do Boa Esporte. O jogador, no entanto, adotou a cautela ao falar em prazos. "Vamos deixar rolar", disse o jogador após o primeiro treino na tarde desta terça-feira. 

O primeiro dia de treinamentos foi dedicado apenas às avaliações. Ele fez exercícios leves na academia do clube e deu algumas voltas no gramado. Embora tenha feito exercícios na prisão, o jogador perdeu toda a preparação física de um atleta profissional. Por isso, Bruno mostrou dificuldades para realizar alguns exercícios. O cronograma de trabalho, com a  frequência e tipo de treinamentos, só vai ser definido após as avaliações. 

O presidente do clube, Rone Moraes, já faz planos de escalação. "Dentro de campo, o goleiro Bruno sempre foi um dos grandes do futebol brasileiro. Espero que ele consiga reencontrar sua melhor forma", disse o dirigente. 

Atualmente, o Boa Esporte está em terceiro lugar na classificação geral do Módulo 2 do Mineiro. No último domingo, uma derrota para o Uberaba encerrou uma invencibilidade de 20 partidas. A equipe não perdia uma partida no tempo normal desde julho de 2016. Bruno deve estar pronto para o Campeonato Brasileiro da Série B. No ano passado, o time conquistou o acesso da Série C com a conquista do título. A estreia em 2017 será no dia 13 de maio contra o Vila Nova. 

OPINIÃO - O Boa acertou na contratação de Bruno?

SIM - A complexidade em relação ao tema exige uma série de cuidados, mas, do ponto de vista jurídico, e não do moral, o Boa Esporte não infringiu nenhuma lei ao contratar Bruno. A direção do clube quis contar com o goleiro em seu elenco. Ninguém tem culpa da demora da Justiça em julgar o caso de Eliza Samudio em segunda instância, e a decisão do ministro do Supremo, Marco Aurélio Mello, é clara ao dizer que não existe sustentação jurídica para a manutenção do encarceramento. (Glauco de Pierri, jornalista).

NÃO - Bruno ainda não foi julgado em definitivo. Ou seja, não acertou as contas com a Justiça. Nem com a sociedade. Assim, ao contratá-lo, o Boa Esporte cometeu vários equívocos. Tecnicamente, investe em uma incógnita, pois Bruno não joga faz anos. Isso é o de menos. Moralmente, é difícil defender quem dá cobertura a alguém que fez o que fez. Como marketing, beira à burrice. Afeta negativamente a imagem, afasta investidores e pode tornar o já sem graça Boa no time mais odiado do Brasil. (Almir Leite, jornalista).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.