Brunoro ainda tenta contratar Moreno e nega que a Libertadores seja 2º plano

Dirigente diz que se reforços do Grêmio não chegarem agora, eles podem chegar mais para frente

Agência Estado

11 de fevereiro de 2013 | 13h56

SÃO PAULO - O diretor executivo do Palmeiras, José Carlos Brunoro, defende a decisão da diretoria de negociar o atacante argentino Hernán Barcos e pede tempo para mostrar serviço. Ele nega que, com a decisão, o Palmeiras esteja deixando a Copa Libertadores da América em segundo plano, mesmo que o zagueiro Vilson seja o único jogador da lista inicial de reforços cedidos pelo Grêmio inscrito na competição. O que Brunoro ainda não admitiu é que a venda de Barcos foi feita à toque de caixa porque o Grêmio precisava inscrever o atacante na Libertadores até sexta-feira antes do carnaval. E o Palmeiras ficou refém de uma transação pouco discutida com os jogadores que viriam no negócio.

Brunoro faz agora o que o Palmeiras deveria ter feito antes de dar o 'sim' para a saída de Barcos: amarrar os atletas que o Grêmio vai emprestar ou entregar ao clube paulista. Dois deles da lista inicial pareciam que resolveria o problema da saída de Barcos: o meia Marco Antônio e o atacante Marcelo Moreno. Mas ambos rechaçaram a transaferência.

O que Brunoro tenta reafirmar é que o Palmeiras pensa sim na Libertadores com carinho, embora todos saibam que subir da Série B do Brasileiro é o grande objetivo do clube em 2013. O Palmeiras estreia na Libertadores na próxima quinta-feira, às 22 horas, contra o Sporting Cristal, do Peru, em São Paulo. "Não é porque o Barcos foi embora que vamos abrir mão da Libertadores. Não abrimos mão de nada. Tenho muita convicção de que faremos uma boa campanha na primeira fase. Depois, poderemos fazer algumas trocas", disse o dirigente.

Brunoro garantiu que o Palmeiras não desistiu de envolver o atacante Marcelo Moreno na transação, mesmo com a recusa inicial do boliviano de trocar o Grêmio pelo clube paulista. "Além do Vilson, vão chegar outros três reforços do Olímpico. Além disso, as conversas com o Grêmio vão continuar mais para frente. Teremos Série B, Libertadores, Copa do Brasil. Até mesmo o Marcelo Moreno ainda pode chegar. Pode ser agora, dentro de alguns meses, no ano que vem... Muita coisa pode acontecer. Estamos trabalhando. Segue o barco."

O dirigente voltou a avaliar como positiva a negociação que levou Barcos a deixar o Palmeiras. "Se eu não achasse que foi um bom negócio, não teria feito. Estou muito tranquilo. As pessoas só olham o presente, nós estamos olhando para o futuro. Tudo que combinamos está sendo feito. Não tem jeito, teremos de sofrer um pouco neste início.”

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasBrunoroGrêmioMarcelo Moreno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.