Gustavo Oliveira / Londrina
Gustavo Oliveira / Londrina

Brusque afasta funcionário envolvido em episódio de racismo contra Celsinho

Clube prometeu ainda instalar câmeras para monitorar e captar o áudio das arquibancadas do estádio Augusto Bauer

Redação, Estadão Conteúdo

03 de setembro de 2021 | 20h01

Passada quase uma semana do caso do xingamento racista dirigido ao meia Celsinho, do Londrina, em jogo da Série B do Campeonato Brasileiro, o Brusque resolveu adotar duas medidas a respeito do episódio.

O clube catarinense informou nesta sexta-feira que afastou o integrante da delegação acusado por Celsinho de racismo e prometeu instalar câmeras para monitorar e captar o áudio das arquibancadas do estádio Augusto Bauer.

Em nota publicada nas redes sociais, o Brusque disse que o membro do estafe do clube acusado de ofensas racistas foi afastado "por prazo indeterminado das atividades do clube até a integral e devida apuração dos fatos". O clube catarinense afirmou que apura "todos os fatos por meio de seu departamento jurídico para que sejam tomadas todas as medidas cabíveis".

Na súmula da partida entre Brusque e Londrina, disputada no último sábado, o árbitro Fábio Augusto Santos Sá Junior deixou registrado que Celsinho "informou ao quarto árbitro que foi ofendido com as seguintes palavras: 'vai cortar esse cabelo seu cachopa de abelha'". De acordo com o que consta no documento, a pessoa foi identificada como membro da delegação do Brusque.

Na última terça-feira, o Londrina publicou um vídeo nas redes sociais em que é possível ouvir o xingamento "macaco" durante o jogo contra o Brusque. O clube paranaense usou o conteúdo para rebater a equipe catarinense que, em um primeiro momento, chamou Celsinho, que denunciou ter sido vítima de racismo, de "oportunista" por meio de nota. Depois, o time de Santa Catarina pediu desculpas em um novo comunicado.

Antes de Brusque x Londrina, Celsinho já havia sido alvo de ofensas racistas em outras duas partidas, contra o Goiás e, uma semana depois, diante do Remo, ambos em julho. Nos dois casos, os xingamentos partiram de profissionais de emissoras de rádio durante as transmissões dos confrontos.

Nesta sexta-feira, Celsinho prestou depoimento no Ministério Público do Paraná (MP-PR), em Londrina, e registrou um boletim de ocorrência sobre o episódio em Santa Catarina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.