Henry Romero/Reuters
Henry Romero/Reuters

Bryan Ruiz diz que Costa Rica pegará o Brasil pensando em 'sobreviver' na Copa

Equipe perdeu o primeiro compromisso na competição por 1 a 0 e agora precisa somar pontos

Leandro Silveira, enviado especial/São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

21 Junho 2018 | 14h02

Autor de gols decisivos nos jogos contra Itália e Grécia em 2014, Bryan Ruiz é a principal esperança da Costa Rica na edição de 2018 da Copa do Mundo. O camisa 10, porém, reconhece que a chance de repetir o feito de levar a equipe até as quartas de final, como há quatro anos, se complicou com a derrota na estreia, por 1 a 0, para a Sérvia, pois os próximos dois compromissos vão ser contra Brasil e Suíça, ambas entre as dez melhores seleções do planeta, de acordo com o ranking da Fifa.

+ Justiça investiga ameaças de morte a colombiano expulso em estreia da Copa

+ Sob pressão após derrota, Polônia teme eliminação diante da Colômbia

+ Ídolo argentino diz que seleção vira 'timinho' quando Messi não joga bem

Assim, o primeiro objetivo, para o duelo desta sexta-feira com a seleção brasileira, em São Petersburgo, na Arena Zenit, é conquistar um resultado que a mantenha viva para a rodada final do Grupo E. "As chances diminuíram após o jogo com a Sérvia, mas não é impossível. Temos que vencer para continuar com chances, mas o empate também dá possibilidades. Temos 90 minutos para isso e depois vamos jogar contra a Suíça", disse, em entrevista coletiva nesta quinta, no local do jogo.

Bryan Ruiz também indicou que a postura da Costa Rica deverá ser mais defensiva no confronto com o Brasil. "É muito importante a partida e muito motivante jogar com o Brasil na Copa. Será um jogo muito intenso, pela qualidade dos brasileiros. Vamos tentar pará-los e depois aproveitar nossas chances", afirmou o camisa 10.

O costarriquenho também foi realista e apontou chances pequenas de vitórias da Costa Rica sobre a seleção. Mas também exibiu esperança de conquistar um resultado diferente ao dos encontros anteriores com o Brasil em Copas - derrotas por 1 a 0 em 1990 e 5 a 2 em 2002.

 

"Diria que é de uma em dez. Respeitamos o Brasil, mas nos desenvolvemos como seleção nos últimos anos. Já vimos muitas surpresas nesta e na outra Copa, e tudo é possível no futebol. Perdemos em 1990 e em 2002, mas jogamos bem. Quem sabe agora é a vez da sorte? Nos preparamos bem e temos que usar isso a nosso favor neste jogo. Estamos animados", comentou.

Bryan Ruiz só desconversou sobre o interesse do Santos na sua contratação. "O mais importante é pensar na seleção, não penso em clubes neste momento ou no meu futuro. A prioridade não é essa. O foco está na Costa Rica", concluiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.