Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Buscando um esquema ideal, Abel Ferreira ainda quer ajustar o ataque do Palmeiras

'Faltou um bocadinho de profundidade', refletiu o treinador português após nova derrota para o São Paulo em casa

Redação, Estadão Conteúdo

17 de abril de 2021 | 09h50

Abel Ferreira é um entusiasta. E jamais o palmeirense vai vê-lo reclamando do time ou diminuindo um jogador. Mesmo com falhas, como a que definiu a derrota diante do São Paulo, por 1 a 0. Ele prefere sempre focar nas coisas boas. Revelando que ainda não definiu um esquema ideal ao time, ele quer apenas dar um ajuste final ao setor ofensivo.

"Se tivesse que apontar algum defeito na equipe (no clássico), diria que faltou um bocadinho de profundidade ao ataque. Tem a ver, seguramente, com a capacidade física. Mas tem muita margem para melhorar", admitiu, ainda insatisfeito com o desempenho de seus homens de frente. "Mesmo assim, foi um jogo competitivo e equilibrado", avaliou.

William e Luiz Adriano começaram o clássico. Wesley, outra opção, não atuou por causa de uma lombalgia. Gabriel Verón e Breno Lopes também acusaram problemas musculares, enquanto Rony foi poupado por causa do desgaste físico.

"Temos que estar tristes porque perdemos, mas não vão me ver cabisbaixo a chorar. A única coisa que me preocupa são as lesões", admitiu o treinador, que no clássico jogou no 3-5-2, seu esquema predileto. Mas ainda busca o melhor para a equipe.

"Desde que chegamos no Palmeiras, usamos três sistemas. O tradicional 4-3-3, típico no Brasil. Eu gosto do 3-4-3 e o 3-5-2, o de hoje. Não fizemos nada do que não fizemos no passado", disse. "Nos clássicos os pequenos detalhes fazem a diferença. Eu gostei do comportamento da equipe, mas o Palmeiras não gosta de perder para ninguém. Só não posso estar triste com o que os jogadores fizeram. Há margem para a equipe crescer." Ele espera uma melhor sorte já neste domingo, diante do Botafogo.

Assim como os torcedores, Danilo Barbosa já cai nas graças do treinador palmeirense. O fato de poder atuar como volante e também na zaga arrancaram elogios do português. "Gosto dos jogadores que fazem mais de uma posição. Chegou com baixo custo, por empréstimo. Fizemos uma boa venda do Emerson (zagueiro) e buscamos o Danilo só pelo salário. Também perdemos o Ramires com salário muito alto. Ele mata (supre) duas saídas. Gostei da estreia", elogiou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.