Ivan Storti/Santos
Ivan Storti/Santos

Bustos defende ataque do Santos com Angulo e Marcos Leonardo

Apesar de partida sem gols contra o Ceará, técnico defende manutenção da dupla e afirma: 'Creio que eles podem jogar juntos'

Felipe Rosa Mendes, Estadão Conteúdo

22 de maio de 2022 | 08h00

Pela segunda vez em três jogos, o Santos saiu de campo sem marcar gols. E, pela segunda vez, foi escalado no ataque com Angulo e Marcos Leonardo, desta vez no empate sem gols com o Ceará, em Barueri, pelo Brasileirão. Apesar do resultado abaixo do esperado, o técnico Fabián Bustos defende a escalação do setor ofensivo e indica que deve repetir a dupla para os próximos jogos. 

"Creio que eles podem jogar juntos. Quantas situações de gol teve o Marcos Leonardo? Umas três ou quatro. A presença de um ou outro ajuda a brigar com os zagueiros centrais. Tem que dar situações de gol aos atacantes. Lamentavelmente, não convertemos as chances. É futebol, é normal. Podem jogar os dois juntos", diz o treinador. 

Dos dois atacantes, Angulo foi quem concentrou as críticas da torcida. Irregular, o jogador equatoriano desperdiçou uma chance incrível em Barueri. Bustos, no entanto, saiu em defesa do reforço que trouxe para a Vila Belmiro nesta temporada.  

"Eu trabalho todo o dia e vejo quem está melhor para cada jogo. Eu estou todos os dias trabalhando para esse jogo e Angulo estava melhor. Não importa quem faz o gol. Ganha o time, ganha o conjunto. Todos sabem o rol que têm no grupo. Para mim, Angulo fez um bom jogo, mas respeito o que podem dizer os outros."

Por outro lado, o treinador exaltou a evolução de Léo Baptistão, que chegou a balançar as redes no sábado, mas teve seu gol anulado de forma polêmica (o VAR identificou uma falta no início da jogada). 

"O Léo Baptistão quando cheguei, todos os jornalistas, 90%, o criticavam. É fruto do seu trabalho. Ele entendeu o que queríamos e vem se sentindo cômodo como atacante pela direita. É levantar o nível de cada um e ser mais competitivo. Não estamos contentes, não ganhamos, escapou uma vitória que seria importante para competir na parte de cima de todo o torneio", lamentou.

Bustos culpou a falta de calma do time, principalmente após a anulação do gol de Baptistão, e cobrou evolução para as próximas partidas. "Nos faltou tranquilidade. Temos para melhorar. Faltou tato e melhores triangulações para fazermos o gol."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.