Cabañas desfila em trio elétrico na chegada ao Tanabi

Atacante paraguaio que tem uma bala alojada na cabeça tenta voltar ao futebol pela segunda vez

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2014 | 19h52

SÃO PAULO - O esporte de Tanabi viveu um dia histórico nesta terça-feira. Por volta das 17h30, o atacante paraguaio Salvador Cabañas iniciou um desfile em um trio elétrico como novo reforço do time, que disputa a Quarta Divisão do Campeonato Paulista. "Não é um problema que o Tanabi seja um time menor. Comigo, ele voltará a ser grande", disse o atacante em entrevista exclusiva ao Estado, ainda no Paraguai, na última quinta-feira. A carreata parou a pequena cidade de Tanabi, de apenas 24 mil habitantes, localizada na região de São José do Rio Preto, a 470 km de São Paulo. Visivelmente cansado pela longa viagem de Itauguá, no Paraguai, e surpreso pela recepção calorosa, o atacante de 33 anos concedeu entrevista coletiva no Ginásio Municipal.

"Tenho 33 anos e quero mostrar que eu ainda posso jogar futebol. Quero fazer um grande campeonato. Estou muito feliz pela recepção e agradeço por isso. Graças ao futebol estou jogando e agradeço muito por isso. Contato foi com meu representante e eu disse que nao teria problema nenhum em jogar no Tanabi".

Cabañas assinou contrato com o Tanabi por três meses, o mínimo exigido pela Federação Paulista. A primeira partida deve ser no dia 6 de abril, contra o Olímpia, na estreia do Paulista. Sua atuação, no entanto, não está confirmada. Depois, deve enfrentar Fernandópolis e Barretos. O presidente do novo clube de Cabañas, Irineu Alves Ferreira, afirmou que deseja que Cabañas participe apenas de uma partida. "Que ele jogue um jogo, tenha destaque e vá brilhar em grandes clubes do mundo", afirmou o presidente do Tanabi.

Cabañas planeja voos mais altos. Ele sonha voltar ao Maracanã, palco do jogo em que acabou com o Flamengo, ao fazer dois gols na vitória do América do México na Libertadores 2008. "São tempos bons lembrar isso, eu nem ia jogar contra o Flamengo porque jogaria pela seleção do meu país depois. Eu disse ao treinador que jogaria, e joguei. Ele me disse que colocaria por uns 35 minutos e, depois que eu entrei, metemos três gols no Flamengo. Sonho em voltar ao Maracanã um dia, mas quero pensar aqui no Tanabi antes", afirmou.

É a segunda vez que Cabañas tenta retornar ao futebol desde que levou um tiro no México, em janeiro de 2010 - a bala ainda está alojada em sua cabeça. Recuperado, ele tentou atuar pelo 12 de Outubro, clube pelo qual iniciou a carreira, Não teve sucesso. Por causa de dificuldades financeiras em razão do divórcio - ele acusa a ex-mulher de ter desviado US$ 1,6 milhão de suas contas bancárias - ele estava trabalhando na padaria da família, em Itauguá, na periferia de Assunção.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCabañas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.