Cabañas diz que já pode chutar e quer voltar aos gramados

Jogador da seleção paraguaia se recupera de um tiro na cabeça que levou em janeiro, no México

Efe,

13 de março de 2010 | 04h04

ÂNIMO - Em entrevista à TV, o jogador disse que 1.º gol será dedicado às pessoas que gostam dele 

 

CIDADE DO MÉXICO - O atacante paraguaio Salvador Cabañas garantiu na sexta-feira, 10, que já pode chutar bolas, e acredita que vai retornar aos gramados quando estiver totalmente recuperado do tiro na cabeça que levou no último dia 25 de janeiro em um bar da Cidade do México.

 

"Já posso chutar bolas, estou quase pronto, e gostaria voltar a marcar gols onde disputar meu primeiro jogo", disse o jogador à rede mexicana Televisa. Ele está internado em uma clínica próxima da capital mexicana, onde passa por um processo de reabilitação.

 

O projétil ainda está alojado na cabeça do atacante. Seu agressor é procurado pela Polícia em todo o México. Apesar disso, em sua entrevista mostrou coerência, conseguiu formar frases curtas e mostrou ânimo.

 

"O primeiro gol será dedicado às pessoas que gostam de mim e estiveram comigo, pessoas de quem gosto muito. Em breve estarei aí, quando me recuperar bem", disse o jogador, que era considerado o principal nome do ataque da seleção paraguaia na Copa do Mundo da África do Sul.

 

O atacante disse estar feliz "porque está vivo" e quase recuperado, e disse que pretende deixar a clínica o mais rápido possível.

 

"Quero sair daqui, me levantar e ir à minha casa ver a meus dois filhos. Quero brincar com eles. É isso que faria se pudesse", diz.

 

O jogador, duas vezes artilheiro da Libertadores pelo América do México, disse os gritos da torcida são "a coisa que mais gosta" e disse que deseja dar mais alegria aos torcedores.

 

"Adoro as pessoas que apoiam. Ainda quero jogar e dar alegrias a muita gente. São eles que me dão ânimo, assim como meu papai e o resto da família", conta, emocionado.

 

O carrasco do Flamengo e do Santos na Libertadores 2008 ficou quase uma semana em coma induzido após receber o disparo em janeiro, mas começou a se recuperar, aos poucos voltou a falar, se levantou da cama e já joga a tênis de mesa na clínica, algo que os médicos dizem que é "muito positivo".

 

"Já posso fazer quase tudo", concluiu o jogador, que enviou uma saudação ao povo do Paraguai e aos torcedores do México.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.