Carlos Gregório Júnior/Vasco
Carlos Gregório Júnior/Vasco

Cáceres e Winck se apresentam no Vasco e destacam poder de ataque pelas laterais

Jogadores vão disputar posição na equipe do técnico Alberto Valentim

Redação, Estadão Conteúdo

04 Janeiro 2019 | 16h26

O Vasco apresentou nesta sexta-feira os laterais-direitos Claudio Winck e Raul Cáceres, novos contratados para a temporada 2019. Os jogadores destacaram o poder ofensivo como principal virtude, mas prometem melhorar na marcação.

"Sempre fui muito ofensivo. Sempre deixei claro isso. O pessoal vê nos meus jogos, mas eu procuro buscar o equilíbrio também, porque é importante o lateral defender. Acho que nos últimos anos tenho focado isso", disse Winck, cujo pai, Luis Carlos fez história no Vasco nos anos 1990. "Eu me sinto muito mais preparado do que quando comecei no Inter. Vivo um momento bem física e mentalmente para fazer um bom ano no Vasco."

Cáceres também não escondeu seu gosto em atuar no campo do adversário. "Sou um lateral que gosta de atacar muito, também, mas no último ano melhorei muito na marcação, que era algo que me faltava. Sou um jogador muito regular, com bom estado físico, o que me dá a possibilidade de jogar muitas partidas."

Revelado pelo Grêmio, Cláudio Winck se destacou com a camisa do Internacional, time que ainda detém parte dos seus direitos. Aos 24 anos, ele chega ao clube carioca vindo do Sport, time para o qual estava emprestado na temporada passada. Também por empréstimo, já defendeu o Verona, da Itália, e a Chapecoense.

Winck falou sobre a disputa com Cáceres pela titularidade da lateral direita: "Vai ser uma disputa sadia. O Raul é um excelente jogador e quanto mais jogadores de qualidade melhor vai ser nosso ano. Eu também jogo na linha da frente, então quem sabe podemos jogar juntos, sim."

Cácertes tem 27 anos e já vestiu as cores do Olimpia, clube que o revelou, do Sportivo Carapeguá e do Sol de América, todos paraguaios. Ele defendia o Cerro Porteño desde 2016. Pela seleção paraguaia, ele recebeu convocações na base, mas nunca teve chance na equipe principal. Chegou a ser chamado inicialmente para a Copa América Centenário, mas foi cortado da relação final.

Ele planeja um bom desempenho para chegar à seleção paraguaia. "Estou muito contente de jogar no Brasil. Vou fazer uma boa pré-temporada para me adaptar o mais rápido possível. Fazendo bem as coisas aqui, aparecerá uma chance na seleção."

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.