Cafu diz que não se considera titular da seleção na Copa

O lateral-direito da seleção e do Milan, Cafu, não se considera titular da equipe que disputará a Copa da Alemanha, em junho, mesmo depois de ouvir o contrário do técnico do Brasil, Carlos Alberto Parreira. Para o jogador, a boa fase de Cicinho, do Real Madrid, é uma prova de que a posição na seleção não tem dono. ?Ninguém tem vaga garantida, todos estão no grupo para conquistar o próprio espaço?, disse o jogador, em entrevista coletiva na manhã deste sábado no Rio de Janeiro, onde se recupera de três cirurgias. Cafu sofreu intervenções na última quinta-feira para recomposição do menisco do joelho esquerdo, correção de desvio de septo nasal e retiradas de amígdalas. Na sexta, iniciou tratamento com fisioterapia. Embora a área em torno da garganta esteja dolorida, ele falou por mais de meia hora com os jornalistas. ?Estou certo de que em três semanas já estarei atuando pelo Milan?. O capitão do time pentacampeão mundial comentou a declaração do médico do Milan, Massimiliano Sala, que o acompanhou durante as cirurgias e segundo o qual o jogador poderá atuar por até mais oito anos. ?Se Deus quiser terei mais oito ou dez anos de carreira?, disse o lateral, de 35 anos. Ele foi operado pela equipe de José Luis Runco, da seleção brasileira, e ficará no Rio até terça. Depois, seguirá para São Paulo para dar prosseguimento à recuperação com o fisioterapeuta Luis Alberto Rosan. Para Cafu, a fase ruim dos últimos meses se deveu a uma série de problemas: a morte do sogro, doença de seu pai, que teve de ser submetido a duas cirurgias, e outras contusões que sofreu - lesão muscular na coxa e na virilha. ?Foram quatro meses de fogo. Agora, estou começando a dar a volta por cima?. Nesse período, ele teve de amargar a reserva no Milan. ?Vou fazer uma grande Copa do Mundo e acredito que o Brasil possa conquistar outro título?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.