Cafu e Roberto Carlos devem deixar a seleção brasileira

Teoricamente acabou as eras Cafu e Roberto Carlos na seleção brasileira. Os dois laterais devem ter se despedido da camisa amarela na derrota por 1 a 0 para a França neste sábado, pelas quartas-de-final da Copa da Alemanha. É improvável que o próximo treinador, a ser escolhido pela CBF, convoque os dois jogadores, que têm 36 e 33 anos, respectivamente - em 2010, eles terão 40 e 37. E ambos deram adeus à seleção de maneira decepcionante. Roberto Carlos foi decisivo para a vitória francesa ao ficar parado, com as mãos no joelho, na linha da grande área, no cruzamento de Zidane, quando era ele quem cuidava da marcação de Henry, autor do gol. Se não bastasse a falha defensiva, o camisa 6 teve atuação praticamente nula no ataque. Cafu igualou-se ao companheiro: atacou e defendeu mal. Errou muitos passes e sofreu para marcar o rápido Henry, que jogou às suas costas. A estratégia francesa foi tão clara que o atacante só foi atuar do lado direito quando o capitão brasileiro deu lugar a Cicinho, aos 30 minutos do segundo tempo. Capitão do time desde a Copa de 2002, Cafu iniciou sua trajetória na seleção em 1991, convocado por Paulo Roberto Falcão. Roberto Carlos começou a ser chamado um depois, já por Carlos Alberto Parreira. Cafu jogou quatro Copas do Mundo (94, 98, 2002 e 2006) e Roberto Carlos três (98, 2002 e 2006). Agora ambos devem se preocupar com seus clubes. O primeiro tem contrato com o Milan e o segundo, com proposta do Chelsea, deve deixar o Real Madrid. No vestiário do Waldstadion, em Frankfurt, Cafu, ainda abalado pela derrota, não quis confirmar o destino. "Não é o fim de uma geração, está cedo ainda para dizer quem estará em 2010", disse. Mas dificilmente ele vestirá novamente a camisa amarela em um jogo oficial. Atualizado às 19h10

Agencia Estado,

01 Julho 2006 | 18h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.