Cafu volta em paz após "castigo"

O lateral Cafu foi o primeiro atleta da seleção a entrar em campo para o leve treino físico-técnico realizado nesta terça-feira à tarde na Granja Comary. A caminho da área reservada para os jogadores, resolveu falar várias vezes sobre o mal-estar provocado pelo castigo que lhe foi aplicado pela diretoria da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), por supostamente não ter se esforçado para atuar contra o Haiti, em agosto. A punição atingiu também Kaká, Dida, Zé Roberto e Lúcio. Cafu já estava preparado para tratar do tema. Sorridente, diplomático, disse que tudo não passara de um mal-entendido. "Está tudo resolvido, tudo superado." Ele disse que não quer passar novamente pelo mesmo problema e afirmou estar convicto de que a CBF e o Milan vão chegar a um acordo sobre futuras convocações. Ao ser perguntado sobre quem teria radicalizado no episódio, se a entide ou o clube, tentou ser elegante, a fim de evitar polêmicas. "Não sei se houve isso. Sei apenas que os prejudicados foram os jogadores. Mas já passou. Agora, temos de pensar na Venezuela." Cafu contou que não conversou com o técnico Carlos Alberto parreira sobre o incidente. "Nem foi preciso. Meu relacionamento com ele é ótimo." A decisão da CBF em aplicar ?castigo? aos atletas teve o aval da comissão técnica. "Eu tinha certeza de que voltaria." O lateral pentacampeão mundial também não quis se comprometer ao comentar declarações recentes de Ronaldo, ainda referentes à punição da CBF, de que os jogadores deveriam se empenhar para vestir a camisa da seleção. "Já está tudo resolvido", repetiu. "Foi só um mal-entendido. Ele está bem no clube dele. Eu estou bem na seleção. Não foi preciso falar nada, esclarecer nada." O sorriso de Cafu ficou mais em evidência ao ser informado de que seu nome fora incluído em lista preliminar da Fifa, que apontou os melhores do mundo na temporada 2003/2004. "Que é isso? Mentira ou é verdade? Poxa, é uma honra, estou maravilhado." Ele disse que o bairro de Jardim Irene, onde foi criado em São Paulo, ficaria mais orgulhoso com a novidade.Para completar o dia, ouviu de Parreira a confirmação de que voltará a ser o capitão da equipe, contra a Venezuela, no sábado, e também contra a Colômbia, dia 13. Nos três últimos jogos, contra Haiti, Bolívia e Alemanha, Roberto Carlos ocupou o papel. E o lateral-esquerdo do Real Madrid fez questão de elogiar o titular do posto. "O Cafu é o nosso capitão nota 10. Até pedi que lavassem muito bem a braçadeira para devolvê-la em ótimas condições." Susto - Um pneu que se desprendeu de uma carroça por pouco não causou um acidente envolvendo o ônibus que conduzia a seleção brasileira a Teresópolis, no início da tarde desta terça. O fato ocorreu na Rodovia que liga Duque de Caxias à cidade serrana. O ônibus teve de reduzir rapidamente a velocidade e quase sobrou para os dois carros da Polícia Rodoviária Federal, que vinham logo atrás, para dar proteção aos atletas. O trânsito na pista de alta velocidade foi parcialmente paralisado. Em seguida, lentamente, o pneu descaiu para o acostamento.

Agencia Estado,

05 de outubro de 2004 | 20h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.