Cai venda de camisas do Palmeiras

A crise do futebol brasileiro parece não ter limites. O Palmeiras e a empresa de materiais esportivos Rhumell deverão reduzir os preços das camisas oficiais do clube em cerca de 30% para tentar amenizar o prejuízo do primeiro semestre. Segundo João Santana, responsável do setor de relações esportivas da Rhumell, nos últimos oito meses as vendas caíram em 70%, número jamais registrado na década de 90. A camisa, que estava sendo comercializada a R$ 85,00, terá o preço reduzido para R$ 59,90. "Reavaliamos o poder de compra do torcedor e, por isso, vamos propor à diretoria do Palmeiras a diminuição do preço", afirmou.O objetivo é comercializar uma quantidade muito maior, apesar de se ter um lucro menor na venda de cada unidade. Na quarta-feira, representantes da Rhumell e dirigentes do Palmeiras se reunirão para definir os últimos detalhes da nova camisa, que terá a logomarca da Pirelli, novo patrocinador do clube. O uniforme já está pronto. Falta apenas acertar como será estampado o nome da multinacional italiana. "Com os preços altos, o torcedor não estava comprando camisas oficiais; recorria às piratas", disse Santana.Segundo dirigentes, as razões para a drástica redução na comercialização de camisas são muitas. Entre outras, estão a falta de credibilidade do futebol brasileiro no momento e a ausência de grandes ídolos. O Palmeiras sofreu um verdadeiro desmanche no elenco no ano passado. O entusiasmo dos torcedores perdeu muita intensidade com a derrota na final da Copa Mercosul, em 2000, e com a fraca campanha no Campeonato Paulista deste ano.A venda de camisas sempre foi uma importante fonte de renda dos clubes e das empresas de materiais esportivos. Com a intensificação da pirataria, porém, os dirigentes perderam o controle. A apresentação do novo uniforme deverá ocorrer no fim do mês ou no início de julho, no mesmo dia da solenidade do anúncio do acordo entre a Pirelli e o Palmeiras.

Agencia Estado,

23 de junho de 2001 | 15h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.