Calor é a arma de Felipão nos treinamentos de Portugal

Enquanto a seleção brasileira quase congela na Suíça, e a França iniciou sua preparação em meio a gelo e neve nos Alpes, o técnico de Portugal, Luiz Felipe Scolari, escolheu o calor de Évora, no sul do país, como o local dos últimos treinos da seleção antes de viajar para a Alemanha. "É melhor treinar no calor e depois jogar em temperaturas mais agradáveis do que o contrário", defende Darlan Schneider, sobrinho de Felipão e preparador físico da equipe, na edição desta terça do jornal Público. "Teremos uma semana para nos adaptar ao clima da Alemanha", disse o lateral Miguel. Nesta segunda, a equipe encarou temperaturas de até 35ºC, enquanto durante a Copa os índices não devem superar os 25ºC. Por causa disso, os jogadores beberam em média quatro litros de água cada um. Nesta terça, Paulo Santos se junta ao grupo como terceiro goleiro, no lugar de Bruno Vale, que se contundiu e foi cortado. Assim como Parreira, Felipão preferiu não expor a equipe contra adversários fortes na fase final de preparação. Depois da vitória por 4 a 1 sobre Cabo Verde, neste sábado, em Évora, a equipe viaja para Luxemburgo, onde enfrenta a seleção local no sábado, e depois segue para a Alemanha. A estréia na Copa será no dia 11, em Colônia, contra Angola.

Agencia Estado,

30 Maio 2006 | 11h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.