Luiz Munhoz/Fatopress
Luiz Munhoz/Fatopress

Câmara aprova espaço para torcida mista nos estádios paulistanos

Projeto, agora, vai para aprovação do prefeito Fernando Haddad

O Estado de S. Paulo

11 Março 2015 | 16h35

A Câmara Municipal de São Paulo aprovou na noite de terça-feira o projeto de lei que garante que todas as partidas de futebol que ocorrerem nos estádios da cidade tenham um espaço reservado para que as torcidas das equipes que se enfrentarem assistam juntas ao jogo. Para isso, uma carga específica de ingressos para este setor deverá ser emitida. O projeto, agora, seguirá para apreciação do prefeito Fernando Haddad, a quem caberá vetá-lo ou aprová-lo.

A iniciativa da torcida mista foi adotada recentemente no Rio Grande do Sul, quando Internacional e Grêmio se enfrentaram no Beira-Rio pelo primeiro turno do Campeonato Gaúcho. Um setor do estádio foi reservado para que 2 mil torcedores de ambas as equipes assistissem o clássico lado a lado. Naquela partida disputada em 1.º de março, como o Inter foi o mandante, o torcedor do time pôde comprar um ingresso para ele e outro para um gremista.

De acordo com o vereador Alfredinho (PT), autor do projeto, considera que a torcida mista contribuirá para a paz e a harmonia nos estádios. "Amigos, namorados que torcem para times diferentes vão ao estádio e têm o desprazer de ficarem separados, não podem tirar sarro um do outro, o que é muito gostoso no esporte'', argumentou. "Acho que o projeto vai incentivar a harmonia e tirar um pouco essa violência dos estádios.''


Para ele, a adoção de torcida única, como algumas autoridades defendem como estratégia para conter a violência, só serve para tornar os jogos chatos.

Também na terça-feira foi aprovado, em primeira votação, projeto do vereador José Police Neto (PSD) que obriga a adoção do sistema de biometria nas catracas das arenas para identificação dos torcedores, além de sistemas de monitoramento por câmeras em todas as áreas comuns de estádios com capacidade de público a partir de 10 mil pessoas.

O objetivo, justifica Police no projeto, é "modernizar o documento de identidade do torcedor, visando a dar segurança na impressão dos dados pessoais. O texto precisa ser apreciado em segunda votação.

Mais conteúdo sobre:
Futebol Violência Paulistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.