Cambistas vendem ingressos do jogo do Brasil até no hotel

Em pleno saguão do hotel onde a seleção brasileira está hospedada, o Kempinski em Berlim, ingressos para a partida entre Brasil e Croácia, que ocorre na terça-feira, continuam a ser negociados e até entregue nos quartos dos hóspedes que desesperadamente procuram entradas. O Portal do Estadão apurou que um casal de brasileiros que está no hotel adquiriu suas entradas para a partida por US$ 500 cada. "Valeu a pena, pelo menos pela comodidade de não ter de enfrentar os cambistas na porta do estádio ou na rua", afirmou o hóspede, que pediu para não ser identificado. Nem funcionários da recepção do hotel negam que isso esteja ocorrendo dentro de suas dependências e fazem de tudo para atender aos desejos dos hóspedes. A própria reportagem do Portal do Estadão se passou por um torcedor e pediu ingressos. Um funcionário respondeu: "Vamos tentar. Quantos o senhor quer?" Já na porta do Estádio Olímpico de Berlim, a frustração é grande para muitos torcedores. "Acho que uns 90% dos brasileiros que estão em Berlim não tem ingressos", afirma Antonio Prado, um morador da capital alemã e que há meses tenta comprar um ingresso. Nas ruas vizinhas ao estádio, cambistas negociam ingressos por até 900 euros. O esquema é relativamente simples. A pessoa que tem o ingresso em seu nome acha o comprador, negocia o preço e depois ambos entram no escritório da Fifa para fazer a mudança do nome do ingresso para o novo proprietário das entradas. O Comitê Organizador da Copa estabeleceu a exigência de que os ingressos estejam em nome da pessoa que usará a entrada. "Consegui comprar o meu por 750 euros e acho que fiz bom negócio. Pelo menos não perdi a viagem à Alemanha", afirmou Caio, um pernambucano que chegou à Berlim neste domingo e passou toda a manhã na porta do estádio para adquirir a sonhada entrada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.