Camisa de Pelé na final de 58 será leiloada

O Museu de Esportes Edvaldo Santa Rosa - nome do ex-jogador Dida -, que funciona no estádio Rei Pelé, em Maceió, vai levar a leilão a principal peça do seu acervo, uma relíquia do futebol brasileiro. Trata-se da camisa 10 que Pelé usou no final da Copa de 1958, na Suécia, quando a seleção brasileira conquistou seu primeiro título mundial.O diretor do museu, jornalista Lauthenay Perdigão, disse que a camisa é uma peça rara, porque foi usada por Pelé uma única vez, na partida final contra a Suécia, que tinha o uniforme amarelo e o Brasil precisou usar o azul. "Como o Brasil não tinha levado uniforme azul, as camisas foram confeccionadas às pressas para a grande final", contou Lauthenay Perdigão. Segundo ele, a peça será leiloada em Londres, provavelmente em março de 2004. A idéia surgiu como alternativa para salvar o Museu, que está sofrendo infiltrações e não dispõe de recursos financeiros para realizar uma reforma em suas instalações."Tomamos essa medida extrema como única saída para salvar o Museu", lamentou o diretor. Ele revelou que, após a vitória de 5 a 2 do Brasil sobre a Suécia, Pelé deu sua camisa para companheiro Dida, que passou a relíquia para seu irmão Edson, residente em Maceió. Algum tempo depois, Edson doou o uniforme ao Museu que leva o nome de seu irmão e foi inaugurado em 1983.A camisa azul tem a marca Idroff, o número 10 amarelo atrás e o escudo da CBD (Confederação Brasileira de Desportos), antecessora da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), na frente.Lauthenay Perdigão ainda não sabe quanto será arrecadado com o leilão, mas acredita que o dinheiro dará para recuperar o Museu, fechado há quase sete meses por falta de condições de funcionamento. Segundo ele, durante algum tempo o local foi mantido com o salário de R$ 1.000,00 que recebia quando ocupava cargo comissionado na Secretaria Estadual de Esportes e Lazer."Hoje, recebo metade desse dinheiro, o que dá apenas para pagar duas pessoas que ajudam no Museu. A limpeza, manutenção e outros serviços saem do meu próprio bolso", explicou o diretor, dizendo-se cansado de tanto esperar pela ajuda do poder público.Dida - O alagoano Edvaldo Alves Santa Rosa foi tricampeão carioca pelo Flamengo (1953/54/55) e campeão mundial pela seleção brasileira na Copa de 1958, na Suécia. Ele morreu no Rio de Janeiro, em setembro de 2002. Sua carreira começou no CSA, no início da década de 50, encantando os torcedores com seu futebol ofensivo e habilidoso. Foi também um dos maiores artilheiros da história do Flamengo. No Museu dos Esportes, logo na entrada, Dida está imortalizado num busto de bronze, ao lado de outro craque do futebol alagoano: Mário Jorge Lobo Zagallo.História - Pelé era reserva de Dida na seleção, mas ganhou a condição de titular durante a competição e se consagrou com a conquista da Copa de 58. Na época, a numeração dos jogadores era aleatória. Assim, Pelé ganhou a camisa 10 por acaso e, depois disso, acabou imortalizando-a.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.