Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Camisa resgatada no acidente da Chapecoense vai decorar bar em Medellín

Morador da região da queda do avião entrega peça para empresário que montou estabelecimento temático

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

22 Fevereiro 2017 | 07h00

O bar temático criado em Medellín para homenagear as vítimas do acidente aéreo da Chapecoense recebeu a peça que faltava. O dono do estabelecimento, Juan David Pemberty, contou nesta terça-feira que recebeu de presente a camisa do atacante Bruno Rangel resgatada no local da queda do avião, entre os municípios de La Ceja e La Unión, no noroeste da Colômbia.

O Café Bar Chapecoense, inaugurado no começo do mês, foi uma iniciativa do empresário para homenagear os jogadores falecidos no acidente de novembro. O dono mandou fazer um painel com fotos dos atletas presentes na viagem, montou uma réplica em fibra de vidro da cabine do avião da LaMia e colocou no balcão fotos do time, do mascote e da taça da Sul-Americana, entregue de forma póstuma ao time catarinense. O adereço que ele desejava exibir era uma camisa da equipe.

A iniciativa de Pemberty foi relatada na última semana pelo Estado e também por veículos da imprensa colombiana. Depois disso, o empresário contou ter sido procurado por um morador da região próximo ao local da queda do avião, para lhe entregar uma camisa. "A camisa veio de La Unión, e foi resgatada do local do acidente. Estou feliz, porque procurei muito pela camisa e por saber que era de um dos jogadores, me deixa muito emocionado", contou o empresário.

A região do acidente foi bastante vasculhada por moradores locais. Alguns levaram para casa pertences de valor dos jogadores. O clube chegou a contratar uma seguradora para armazenar objetos pessoais no aeroporto de Medellín e evitar saques. Da bagagem que não foi extraviada, colombianos guardaram a camisa do lateral-esquerdo Alan Ruschel, um dos sobreviventes da tragédia.

A camisa entregue a Pemberty é de Bruno Rangel, o maior artilheiro da história da Chapecoense, com 77 gols. A peça na cor branca tem o nome e o número do atacante, traz na manga o adesivo da Copa Sul-Americana e de acordo com o empresário, está em boas condições. O plano dele é exibir o uniforme no bar depois de realizar o sonho de visitar Chapecó. "Quero estar vestido com ela para quando for em algum jogo do time na Arena Condá", afirmou.

 

Mais conteúdo sobre:
ChapecoenseMedellín

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.