Campanha favorece Real no clássico

Real Madrid e Barcelona chegam em situação diferente ao clássico da noite deste sábado no Santiago Bernabéu. A equipe madrilena lidera o campeonato espanhol, com 52 pontos em 24 rodadas, está em grande fase e é a maior candidata ao título de 2000/2001. Os catalães estão em quarto lugar, com 43 pontos e mostram muita oscilação na temporada. Entre ambos, estão o Deportivo La Coruña, com 48, e o Valencia, que tem 45.Essas duas equipes por razões óbvias torcem por uma vitória de Rivaldo e seus companheiros. O Real tem retrospecto bem favorável no atual campeonato, quando atua como mandante. Em 11 apresentações diante de sua torcida, venceu 10 vezes e sofreu só uma derrota. O Barcelona, ao contrário, é bem irregular como visitante, porque jogou 12 vezes fora de casa e conseguiu 4 vitórias, contra 3 empates e 5 derrotas das 7 que sofreu em todo o torneio. A vitória ainda não garante ao Real a confirmação do título, pois restarão mais 13 rodadas até o encerramento. Mas a derrota pode significar o fim do sonho para o Barcelona, que ficaria 12 pontos atrás do rival.O Barça tem como consolo uma história de mais vitórias contra o Real Madrid. Em 99 anos de duelos, o Barcelona venceu 90 vezes, perdeu 83 e houve empate em 44 ocasiões. O primeiro jogo entre ambos válido pela Copa do Rei da Espanha foi em 13 de maio de 1902, com vitória do Barcelona, em Madri, por 3 a 1. A primeira partida pelo campeonato ocorreu só em 17 de fevereiro de 1929, no Camp Nou, e foi a vez de o Real se impor, por 2 a 1.A tradição sempre mostrou Real e Barcelona como grandes importadores de talento. O Barça teve craques como Kubala, Kocsis, Czibor, Cruyff, Maradona, Romário, Ronaldinho e Figo. O Real contratou atletas como Gento, Santamaria, Didi, Kopa, Di Stefano, Puskas, Hugo Sanchez, Camacho, Valdano.O acúmulo de estrelas às vezes prejudica os planos dos times, especialmente em tempos de excessos de torneios e de compromissos de seleções. O Real ficou quatro dias, durante esta semana, sem Casillas, Hierro, Raul, Figo, Makelele, Solari, Celades, empenhados com suas seleções. O Barcelona deixou de contar com Guardiola, Luis Enrique, Abelardo(voltou contundido do amistoso com a Inglaterra), Sergi, Frank de Boer, Reiziger, Cocu, Overmars, Kluivert, Petit. Vicente del Bosque e José Ferrer (ameaçado no cargo) passaram boa parte do tempo com inócuos treinos "recreativos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.