Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Campanha fraca no Brasileirão causa preocupação no Corinthians

Com 26 pontos em 19 partidas, time se distancia dos adversários da parte de cima da tabela

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2018 | 05h06

O Corinthians está vivo na Copa do Brasil e na Libertadores, mas a campanha no Campeonato Brasileiro deixa a desejar. Isso tem sido motivo de preocupação para parte da torcida, que não vê a equipe engrenar no torneio nacional. Já são três partidas sem vencer, com duas derrotas seguidas, e diferença de 15 pontos para o líder São Paulo.

Com 26 pontos, o Corinthians está a sete pontos da zona de classificação para a Libertadores, o que também incomoda por sua situação irregular. “No Brasileiro, o Corinthians não vem bem e contra o Grêmio (sábado) não fez um bom jogo”, explicou Duílio Monteiro Alves, diretor de futebol do clube, referindo-se à derrota por 1 a 0 para o time gaúcho em casa. Só que o dirigente lembra que a temporada tem sido boa, pois a equipe conquistou o Paulistão e pode garantir outras taças.

“Na quarta-feira passada, a gente se classificou para a semifinal da Copa do Brasil, o que não ocorria desde 2009. Somos o atual bicampeão paulista e campeão brasileiro, estamos nas oitavas da Libertadores, com grandes chances de reverter o resultado que foi de 1 a 0 fora de casa. Então, estamos satisfeitos com o que estamos fazendo, apesar de a atuação agora não ter sido boa”, justificou.

Confirmado como técnico após a saída de Fabio Carille para o futebol árabe, Osmar Loss ainda não empolgou com os resultados e sofre com críticas de parte da torcida. Apesar da desconfiança de alguns fãs, ele continua prestigiado pela cúpula do clube, incluindo o presidente Andrés Sanchez. “O trabalho segue, é bem feito, e não é porque tivemos um resultado negativo (contra o Grêmio) que vamos mudar o planejamento que vem sendo feito pelo treinador que escolhemos”, diz Duílio.

Loss perdeu sete jogadores que foram campeões paulistas neste ano – quatro deles eram titulares: Balbuena, Sidcley, Maycon e Rodriguinho. Ainda deram adeus ao clube Kazim, Júnior Dutra e Marquinhos Gabriel, que foi emprestado e vai atuar nos Emirados Árabes Unidos. Para o dirigente, o elenco está competitivo.

“A gente tem um bom grupo. Conseguimos repor algumas posições que perdemos, mas a gente nunca coloca o grupo como fechado. Pode acontecer de vir alguém ainda, podem aparecer oportunidades no mercado, pode ter alguma necessidade no futuro... Não deixamos as portas fechadas. Mas, por enquanto, não existe nenhuma negociação em andamento”, diz.

Além das contratações para o time profissional, o Corinthians também trouxe jogadores para as categorias de base. Isso começou no início da gestão de Andrés, com foco em jovens talentos que possam agregar ao time no futuro. “A intenção é formar um Corinthians para quatro ou cinco anos. Eles poderão dar retorno dentro e fora de campo, também na parte financeira. Da base o time tem promessas, que não estão prontas para o profissional, mas que no futuro podem agregar e ajudar bastante o grupo”, avalia.

Antes da partida decisiva contra o Colo-Colo pela Libertadores, dia 29, Loss terá dois jogos para tentar fazer o time reagir no Brasileirão: amanhã, diante do Fluminense, fora de casa, e sábado, frente ao Paraná, em Itaquera. O técnico sabe que a pressão por resultados é grande, ainda mais porque em 19 partidas no cargo ele tem aproveitamento baixo, de apenas 43,8% dos pontos disputados, com sete vitórias, quatro empates e oito derrotas.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.