Campanha surpreende o Juventude

A boa campanha do Juventude no Brasileiro - terceiro lugar, com 48 pontos, levando desvantagem apenas nos critérios de desempate para Santos e Atlético-PR -, provoca surpresa entre os próprios dirigentes do clube gaúcho. O vice-presidente de futebol José Antônio Boff admite que os resultados têm sido acima do esperado. "Se eu falar que, antes do início do campeonato, esperava estar numa situação tão boa neste momento, seria um exagero", reconhece. Mas, ao mesmo tempo, o dirigente destaca que o desempenho é resultado de uma série de providências que foram tomadas antes da competição, como a troca do técnico Plein por Ivo Wortmann. Só que o objetivo inicial era a fuga do rebaixamento. Segundo José Antônio Boff, a campanha é fruto de uma série de detalhes. "Quando a gente trabalha certo, tem mais chances de as coisas darem certo. Agora, quando se trabalha errado, pode contar que tudo dará errado", filosofa o dirigente. Entre os acertos estariam, além da comissão técnica, a chegada de reforços que se encaixaram bem, tratamento adequado aos atletas e boas condições de trabalho. O vice-presidente de futebol do Juventude não fala em ser campeão brasileiro, dizendo que ainda é cedo. "Não sei se vamos continuar na liderança, se vamos lutar pelo título ou pela participação numa das copas (Libertadores ou Sul-Americana), mas temos que seguir o mesmo trabalho", avisa. Antes e durante o campeonato, o Juventude se desfez de uma série de jogadores. O último foi o zagueiro Thiago, negociado sábado à noite por cerca de US$ 3 milhões com um grupo de empresários europeus. A maior parte do valor ficou com o RS Futebol, clube que o emprestou ao Juventude, a quem coube cerca de US$ 500 mil. Mesmo com essas mudanças, o Juventude conseguiu a reposição. "Não faltou coragem para mudar. Se um jogador vem e não dá certo, não temos medo de nos desfazer e tentar outra solução", afirma Boff, se referindo a atletas como Igor, Fernando Diniz, Joãozinho, Renato Santiago, Ronildo e outros, de curta passagem pelo clube. Pela liderança - Nesta quarta-feira, o Juventude recebe o Santos, num jogo que vale a primeira posição do campeonato. O desfalque do técnico Ivo Wortmann é o zagueiro Thiago, negociado com o futebol europeu. Neto deve ser o substituto. O também zagueiro Índio, que não participou da vitória de 2 a 1 sobre o Paraná, a sexta consecutiva fora de casa, deverá retornar. Ele sofreu uma lesão no ombro direito mas já se recuperou. O outro zagueiro titular, Naldo, reclamou de uma lesão nessa partida, mas, como não foi ao estádio na segunda-feira pela manhã para fazer tratamento, deve ter condições de jogo. O atacante Leonardo Manzi, depois de um longo período afastado do time, devido a uma lesão muscular, deverá ter condições de ficar no banco de reservas. Mas o volante Camazzola, com uma lesão no joelho direito, ficará cerca de 90 dias fora.

Agencia Estado,

30 Agosto 2004 | 16h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.