Henry Romero/Reuters
Henry Romero/Reuters

Campeão da Concacaf, Pachuca voltará ao Mundial após 7 anos e quer fazer história

Equipe mexicana é a primeira a garantir vaga na competição entre campeões continentais da Fifa, em dezembro

Estadão Conteudo

27 de abril de 2017 | 17h50

Ao conquistar o título da Liga dos Campeões da Concacaf, o Pachuca se tornou o primeiro time garantido na próxima edição do Mundial de Clubes da Fifa, competição que a equipe mexicana voltará a disputar após sete anos. O time garantiu o feito ao vencer o Tigres por 1 a 0, em jogo encerrado na madrugada desta quinta-feira (no horário de Brasília), em casa, no confronto de volta da competição continental.

Essa foi a quinta vez que o Pachuca ganhou o principal torneio de clubes da Concacaf, depois de ter ficado com o taça em 2002, 2007, 2008 e 2010. O troféu foi assegurado com um gol marcado pelo argentino Franco Jara, aos 37 minutos do segundo tempo da decisão com o Tigres, após empate por 1 a 1 no duelo de ida da final.

A equipe mexicana também fará a sua quarta participação no Mundial de Clubes da Fifa. Além de ter disputado a edição de 2010 da competição, esteve presente no evento com chancela da entidade máxima do futebol em 2007 e 2008, quando terminou em quarto lugar em sua melhor campanha no importante torneio.

E agora o Pachuca projeta uma participação expressiva no Mundial, que neste ano voltará a ser realizado nos Emirados Árabes Unidos, entre os dias 6 e 16 de dezembro. As duas últimas edições da competição aconteceram no Japão e a Fifa vem promovendo um revezamento de sedes a cada dois anos desde 2009, quando o evento ocorreu pela primeira vez em solo árabe, também palco do Mundial de 2010. Em seguida, o Japão (2011 e 2012) e Marrocos (2013 e 2014) abrigaram o torneio.

"Estou feliz. Estamos vivendo um sonho e o sonho ainda não acabou. O Mundial de Clubes é uma obsessão minha. Sabíamos que tínhamos essa oportunidades e temos seis meses para nos prepararmos para o que nos propusemos (se destacar e fazer história na competição). E agora nós querer ir lá e competir verdadeiramente", ressaltou o uruguaio Diego Alonso, técnico do Pachuca, se referindo ao fato de que acredita ser possível que seu time jogue de igual para igual com qualquer rival que se classificar para jogar a competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.