Neil Hall/EFE
Neil Hall/EFE

Campeão da Copa, Deschamps é eleito o melhor técnico do mundo pela Fifa

Francês supera o compatriota Zidane e o croata Zlatko Dalic e fica com o prêmio

O Estado de S.Paulo

24 Setembro 2018 | 16h48

O título da Copa do Mundo fez a diferença e Didier Deschamps foi eleito nesta segunda-feira o melhor técnico do mundo pela Fifa. Campeão na Rússia com a seleção francesa, o treinador recebeu o prêmio referente à temporada 2017/2018 nesta segunda-feira, em festa da entidade realizada em Londres.

Deschamps deixou para trás o técnico da Croácia, Zlatko Dalic, derrotado justamente por sua França na decisão do Mundial. O outro finalista foi Zinedine Zidane, vencedor do prêmio no ano passado, que conquistou a Liga dos Campeões com o Real Madrid pela terceira vez consecutiva.

"Fico feliz de ter batido Dalic e Zidane, treinadores que poderiam ter vencido o título esta noite. Queria agradecer meu presidente, que me deu a confiança, me permitiu trabalhar de forma serena. O papel de selecionar é importante, mas sabemos que não somos nada sem os jogadores. Então, quero felicitar o conjunto dos meus jogadores que me permitiu ganhar o troféu", declarou.

O prêmio também representa o fim da desconfiança sobre o trabalho de Deschamps. Antes do Mundial, o treinador era bastante criticado pelo estilo pragmático de sua seleção, mas, agora, com o título, teve o trabalho reconhecido em seu país.

No futebol feminino, o prêmio foi para o técnico Reynald Pedros. O ex-jogador francês levou o Lyon ao título da Liga dos Campeões, desempenho suficiente para que deixasse para trás nesta eleição Asako Takakura, da seleção japonesa, e Sarina Wiegman, da seleção holandesa.

OUTROS PRÊMIOS 

Na disputa pelo prêmio de melhor goleiro, a Copa do Mundo também fez diferença e o belga Thibaut Courtois ficou com o troféu. Eleito melhor goleiro do torneio na Rússia, ele deixou para trás o francês Hugo Lloris, do Tottenham, e o dinamarquês Kasper Schmeichel, do Leicester, e recebeu o troféu das mãos de Jackson Follmann, um dos sobreviventes do trágico acidente com o avião da Chapecoense, e do ex-goleiro holandês Edwin van der Sar.

Depois destas premiações, a Fifa exibiu um clipe contando grandes histórias do futebol e lembrou também do drama vivido pelo time Javalis Selvagens, da Tailândia, que teve alguns de seus jovens jogadores presos em caverna do país, que foi inundada, e precisaram ser resgatados em uma grande operação envolvendo mergulhadores de vários lugares do mundo.

Em uma pausa da premiação, o músico Noel Gallagher também roubou a cena ao tocar a música "Don't Look Back in Anger", grande sucesso do Oasis, banda da qual ele era um dos líderes ao lado do irmão Liam Gallagher. E na sequência da muito aplaudida performance de Noel, a Fifa confirmou os peruanos como vencedores da premiação que elegeu torcedores que se destacaram no futebol mundial nesta temporada 2017/2018. A seleção do Peru esteve presente na Copa do Mundo da Rússia e encerrou um jejum de 36 anos sem participações do país no Mundial.

Já o Prêmio Fair Play desta temporada 2017/2018 foi vencido pelo alemão Lennart Thy, jogador do VVV Venlo, que deixou de participar de uma partida de sua equipe para doar sangue e ajudar um paciente que sofria de leucemia. Esta honraria foi entregue pelo ex-árbitro Pierluigi Collina, eleito o melhor juiz de futebol do mundo em seis oportunidades durante a sua carreira.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.