Luiz Ackerman/AE
Luiz Ackerman/AE

Campeão de 1962, Amarildo espera nova batalha contra os chilenos

Substituto de Pelé no bicampeonato, ex-jogador afirma que Brasil não deve apostar apenas no favoritismo

ANDRÉ RIGUE - estadão.com.br,

26 de junho de 2010 | 07h09

Na Copa do Mundo de 1962, Amarildo substituiu Pelé e foi uma das figuras mais importantes da conquista do bicampeonato. E na vitoriosa campanha, o Brasil atropelou o Chile por 4 a 2 nas semifinais. Na próxima segunda-feira, a seleção brasileira terá novamente os chilenos pelo caminho, desta vez nas oitavas de final da Copa da África do Sul.

 

Veja também:

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador   

 

Hoje com 70 anos, Amarildo lembrou que os chilenos possuem um futebol de marcação por velocidade, e que a equipe de Dunga não deve apostar apenas no retrospecto positivo para se classificar para as finais. Na história das Copas, Brasil e Chile duelaram por duas vezes. Além do jogo em 1962, o Brasil fez 4 a 1 nas oitavas de final de 1998.

 

"O Brasil tem de esquecer o passado e pensar no futebol do momento", afirmou Amarildo, que disputou quatro jogos no Mundial de 1962. "O Chile tem um futebol forte. É um time que joga com 10 homens num bloco de marcação, depois vai para o ataque com muita força. A seleção brasileira não está num momento brilhante, e deve ter atenção."

 

Para Amarildo, o principal segredo para vencer o Chile será atuar pelas laterais, com Maicon e Michel Bastos. "Acredito num jogo muito complicado. Explorar as beiradas será uma boa saída. O Maicon costuma apoiar o ataque bem. Tomara que ele esteja num bom dia."

 

Anfitriões da Copa de 1962, Amarildo também acredita que a seleção chilena tentará catimbar os brasileiros dentro de campo. "Provocação sempre vai existir. Foi uma batalha imensa em 1962. Tivemos de suportar ofensas, cusparadas e porradas. Mas o Brasil tinha mais superioridade técnica. Espero que a técnica também se sobressaia no jogo da próxima segunda."

 

 

 

 

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.