Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Campeão de tudo, Corinthians tenta manter elenco motivado

Título da Recopa encerra ciclo no clube que elege a Copa do Brasil como prioridade para voltar à Libertadores

RAPHAEL RAMOS, O Estado de S. Paulo

19 de julho de 2013 | 08h00

SÃO PAULO - Com o título da Recopa, conquistado na última quarta-feira, o Corinthians encerrou um ciclo iniciado após o retorno à Série A do Campeonato Brasileiro, em 2009. O Alvinegro venceu pelo menos uma vez todas as competições que disputou no período: Paulista, Copa do Brasil, Brasileiro, Libertadores, Mundial e, por último, Recopa. O desafio agora é reconquistar a América para fortalecer ainda mais a marca do clube no exterior.

Eliminado nas oitavas de final da Libertadores pelo Boca Juniors, para garantir vaga na próxima edição do torneio o time precisa ganhar a Copa do Brasil ou ficar entre os quatro melhores do Brasileiro. Por isso, o presidente Mário Gobbi já tratou de pedir que os jogadores não relaxem.

"Este grupo não tem mais nada a provar para ninguém, mas nós temos de trabalhar duro porque vão cobrar os títulos da Copa do Brasil e do Campeonato Brasileiro."

Na Copa do Brasil, o Corinthians estreará diretamente nas oitavas de final, em agosto, por ter participado da Libertadores no primeiro semestre. No Brasileiro, o Alvinegro terá de se recuperar de um início ruim (é apenas o 12º colocado).

A prioridade da equipe no segundo semestre será a Copa do Brasil por causa da fórmula de disputa do torneio. Para ser campeão, o time precisará de apenas oito jogos, enquanto o Brasileiro tem 38 rodadas. A diretoria descarta novas contratações, mas, para dar uma injeção de ânimo no elenco, estuda a possibilidade de pagar na Copa do Brasil premiações acima do habitual - a estratégia já foi adotada na Recopa por causa da rivalidade. "O São Paulo valorizou muito nossa vitória", confessou Gobbi.

SEM DESCANSO

O Corinthians voltará a campo no domingo, contra o Atlético-PR, em Curitiba, pela oitava rodada do Brasileiro, e Tite não deverá poupar nenhum titular. O técnico quer que o time entre no pelotão de frente do campeonato o mais rápido possível e, assim, não passa pela sua cabeça perder mais pontos para equipes que estão atrás do Alvinegro na tabela - o Furacão está na zona do rebaixamento (é o 19.º colocado).

"A gente tem de sempre buscar títulos. A camisa que a gente veste é muito grande para ter acomodação. O perfil dos nossos jogadores não é assim, também não é assim o perfil da comissão técnica. Vamos continuar lutando porque não estamos satisfeitos", disse ontem Edenílson, novo titular da lateral direita após levar a melhor sobre Alessandro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.