Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Campeonato Japonês começa amanhã

A J.League começa neste sábado. E a cotação dos jogadores brasileiros continua em alta. Serão 42 atuando em 16 dos 18 clubes da primeira divisão do futebol japonês. O último a se juntar à legião brasileira foi o meia Ari, ex-Bahia, contratado na quarta-feira pelo Kashima Antlers.Há muitos nomes conhecidos. Fabinho (ex-Corinthians) é a estrela do Cerezo Osaka, ao lado do lateral-esquerdo Zé Carlos. Dodô e Magno Alves deixaram o futebol sul-coreano e defendem hoje as cores do Oita Trinita. Dininho, ex-São Caetano, comanda a zaga do Sanfrecce Hiroshima. E Washington, artilheiro do último Campeonato Brasileiro pelo Atlético/PR, é a aposta do Tokyo Verdy.Este ano o torneio será especial para a J.League, que mudou o formato e adotou o sistema de pontos corridos, em dois turnos. Quem fizer mais pontos, leva a taça. Para aumentar o número de participantes para 18, não houve rebaixamento em 2004. E dois subiram da segunda divisão.As mudanças fazem parte do "Plano dos 100 Anos": os dirigentes nipônicos sonham em criar duas divisões fortes para sedimentar o esporte no país e ameaçar o lugar do beisebol no coração dos japoneses.O Yokohama Marinos larga como favorito. Tem o melhor técnico japonês da atualidade, Takeshi Okada, ex-seleção japonesa, e manteve a base da equipe campeã de 2004. O time tem dois brasileiros: o atacante Adhemar, ex-São Caetano, e o lateral Dutra, ex-Santos e já em sua quarta temporada no futebol japonês. O Urawa Reds é o mais forte concorrente do Yokohama Marinos. No ano passado, foi o clube que mais somou pontos nos dois turnos. Tem cinco brasileiros, dois naturalizados e da seleção japonesa - Santos e Túlio Tanaka. Completam a lista os atacantes Émerson e Eliézio e o zagueiro Nenê.A análise é do técnico Toninho Cerezo, que está em sua 5ª temporada no Kashima Antlers: "Favoritos são os que investem nos jogadores japoneses, base do time. O nível deles melhorou muito, gerando interesse dos europeus."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.