Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Candidato, Platini condena ataque a juiz

Ao anunciar nesta terça-feira sua candidatura à presidência da UEFA na sucessão de Lennart Johanssen, em 2006, o ex-jogador francês Michel Platini manifestou sua "solidariedade integral" ao juiz sueco, Anders Frisk, após as diversas ameaças de morte recebidas por ele e sua família, fato que o levou a anunciar o encerramento definitivo de sua carreira de arbitro internacional. Platini reuniu um grupo de jornalistas esportivos europeus durante um almoço para anunciar uma candidatura que já vinha sendo preparada há algum tempo, desde que iniciou sua carreira de dirigente, após ter concluido a de atleta. As ambições de Michel Platini não se limitam à presidência da União Européia de Futebol, pois essa é apenas mais uma etapa de sua carreira, pretendendo conclui-la , no futuro , chegando à presidência da FIFA. O caso Frisk poderá gerar uma revolução no futebol europeu, pois os arbitros europeus estão dispostos a deflagrar uma greve de solidariedade ao juiz sueco que recebeu essas ameaças de morte por e-mail e telefonemas , depois das desastrosas declarações do técnico português do Chelsea, José Mourinho, segundo as quais havia visto o juiz, de 42 anos, entrar no vestiário do Arsenal, ao lado do técnico Arséne Wenger, no intervalo da partida contra o Chelsea. Anders Frisk, um dos bons arbitros europeus, desmentiu esses fatos, mas fortemente desestabilizado pelas ameaças proferidas contra seus famíliares decidiu abandonar, definitivamente, os gramados. Se a greve ocorrer, essa será uma manifestação inesperada de seus colegas que se encontram igualmente revoltados com a violência cada vez maior das torcidas, mas também de dirigentes e jogadores contra os arbitros nos estádios europeus. O objetivo de Frisk e outros arbitros é aproveitar a ocasião para provocar um debate de fundo sobre o problema, pois as agressões aos arbitros de futebol tem se multiplicado nos últimos tempos. O próprio presidente da comissão de arbitros da UEFA, Volker Roth, admite essa possibilidade dizendo que que " não se pode permanecer de braços cruzados " diante de tal ofensa. De qualquer forma haverá uma manifestação forte de solidariedade. Nesse momento, outros arbitros estão tentando convencer Anders Frisk a desistir de levar adiante essa idéia, segundo afirmou o porta voz da Uefa, William Giullard. Diante disso, um porta voz do Chelsea, falando em nome de José Mourinho, afirma que ele também condena todas as ameaças recebidas por Frisk e sua família, mas foi o responsável pelo inicio dessa onda de insultos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.