Candinho chega dando desculpas

A Portuguesa viveu um dia de despedida no Canindé e festa em Jarinu nesta terça-feira. Pela manhã o ex-técnico do time Renê Simões e sua comissão técnica davam a última palestra aos jogadores já em tom de adeus na sede do clube. À tarde na pacata cidade do interior, Candinho era apresentado aos atletas e dava início a dura missão de reerguer o moral do time ainda pensando na classificação no Campeonato Paulista 2001. ?Não queria assumir a equipe neste momento, pois faltando apenas cinco jogos fica complicado para os atletas assimilarem a minha filosofia de trabalho. Corremos risco de tomar porradas e não se classificar?, disse.Em sua quinta passagem pelo clube , Candinho terá que conquistar nos últimos cinco jogos da Portuguesa pelo menos 13 pontos, segundo sua própria matemática. O atual treinador aproveitou para desmentir boatos sobre um possível desentendimento com o atual médico da Portuguesa Júlio Cesar Lola. "Nunca tirei emprego de ninguém. Problemas pessoais não podem ser confundidos com profissionais", bravejou.Renê Simões deixou o Canindé muito aborrecido e sem querer falar muito, evocou um trecho bíblico para mostrar o seu descontentamento. "Tudo isto vi nos dias da minha vaidade: há justo que merece na sua justiça e a perverso que prolonga os seus dias na sua perversidade", dizia o verso. Renê afirmou que sai de cabeça erguida e que durante a sua passagem no clube tentou ser o mais profissional possível em suas atitudes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.