Candinho implora por um artilheiro

Candinho sabe da importância histórica do clássico de domingo contra o Corinthians. Ele tem o amor próprio muito forte. Ex-treinador da Seleção Brasileira (por uma partida), milionário, assumiu o Palmeiras para realizar um velho sonho. Só que o sonho está virado desespero. Depois do frustrante empate contra o Santo André, no Estádio Palestra Itália, pela Copa Libertadores, na quarta-feira, reconheceu não ter jogador para fazer gols.O técnico desabafa: "Não tenho poder de fogo. O time contra o Santo André chutou 18 vezes ao gol. Marcou um só. Isso não é possível. Como dá para ganhar as partidas se me falta alguém para dar o toque final para as redes?"A estatística está ao lado do técnico. Os principais artilheiros do time, somando Campeonato Paulista e Libertadores, são Osmar e Ricardinho. Os dois marcaram seis gols cada. Warley só marcou dois na Libertadores. Marcel fez dois. Thiago Gentil não fez sequer um gol. Adriano Chuva, também. Muñoz não consegue se recuperar da operação no joelho esquerdo."Não dá. É pouco gol, preciso de um artilheiro. Falaram em Luís Fabiano, França, qualquer um outro com essas características precisa ser contratado. Já conversei com o presidente. Fui franco. Se o Palmeiras tem pretensões de conquistas precisa ter esse tipo de atleta", diz Candinho.O treinador está ficando cada vez mais irritado. A desilusão com os resultados, como a derrota para a Portuguesa e empate contra Santo André, já o afeta. "Não tem como não ficar frustrado. A gente trabalha tanto, os jogadores se aplicam, se doam em campo, o time é melhor do que o adversário e por falta de um artilheiro não ganha, não dá para não ficar chateado."Crédito - Candinho defende como pode o presidente Afonso Della Monica. Teve a promessa do dirigente ao assumir o Palmeiras de que iria contratar três jogadores consagrados. Um deles seria um artilheiro.Candinho acreditou. "Eu ainda continuo esperando que o meu presidente venha com um jogador como eu preciso. Ele viajou para a Itália. Quem sabe? Eu tenho de ser otimista, mas, sinceramente, tem horas que é bem difícil não se irritar."Os líderes do time concordam. "Não vamos ser hipócritas. O Palmeiras tem jogadores para contra-atacar. Pode ver: o Ricardinho, Osmar, Warley, o Gentil são atletas que sempre fizeram sucesso quando atuavam ao lado de um atacante fixo. Essa carência no nosso time não é segredo. Enquanto a diretoria não consegue esse artilheiro, a gente vai tentando repartir os gols", afirma Magrão.Para Marcos, um artilheiro faz falta. "Como o Palmeiras não tem um artilheiro, precisa jogar como fez contra o Santo André. Melhor atacar sem tanto potencial, mas consciente. Não podemos repetir o passado. Buscávamos a frente como bobos, deixávamos espaço para os times nos vencer. É lógico que se França, Luís Fabiano, Love estivessem aqui tudo mudaria".Juninho Paulista - Della Monica embarcou nesta quinta-feira para a Itália, carregando junto três sonhos na bagagem. No primeiro sonho, o empresário Juan Figer é personagem forte. Ele consultaria a direção do Porto sobre a possibilidade de ter Luís Fabiano por empréstimo. Como o atleta não vem sendo utilizado pelo clube português, e enfrenta problemas pessoais no Brasil, o seu retorno a São Paulo não seria tão difícil.O empresário Vagner Ribeiro abortou o segundo sonho: o empréstimo de França, que atua no Bayer Leverkusen. Ribeiro não quer o retorno do seu atleta, embora o ex-atacante do São Paulo não seja titular absoluto. Ele sabe que o Palmeiras não teria condições de bancar cerca de R$ 330 mil/mês que França recebe na Alemanha.Está também entre as alternativas do clube do Parque Antártica o campeão do mundo Juninho Paulista, ex-São Paulo e Vasco, que joga no Celtic de Glasgow. Os contatos com o jogador brasileiro começaram há cerca de 20 dias. Se houver um progresso significativo, Della Monica irá da Itália para a Escócia fechar a contratação.Empresários estão oferecendo Nadson, ex-Vitória, que está no Samgsung, da Coréia do Sul. "Venha quem vier. Eu estou precisando mesmo de um artilheiro urgente. Urgente!", implora Candinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.