Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Candinho prefere fazer mistério

O técnico Candinho, fez mistério para definir o meio-de-campo que enfrenta o Santos neste domingo, às 16h, no Parque Antártica. Cristian e Marcel disputam o lugar de Diego Souza, que cumpre suspensão pelo terceiro cartão amarelo. Ontem, no treino, o treinador fez o que pôde para não antecipar quem será o armador do time.Na prática, não muda muito, já que os dois são armadores. A única diferença é que Cristian seria uma opção para valorizar a posse de bola - é mais habilidoso, toca bem a bola. Marcel tem um estilo um pouco mais agressivo. O ?camisa 10? só deve ser decidido na hora do jogo.Claudecir, que foi confirmado como substituto de Magrão, quer aproveitar a nova chance na equipe. "Nada melhor do que um clássico para reverter a situação. O Santos é favorito. Está disputando a liderança, enquanto nós estamos no bloco intermediário. Mas dentro do campo, vamos tentar surpreender", disse.Embora o discurso oficial seja o de que "enquanto houver chances, vamos acreditar no Paulista", Claudecir admite que uma vitória no clássico de hoje será ótima para o compromisso de quinta-feira, contra o Deportivo Táchira, em casa, pela Libertadores. "Vencer um clássico vai dar moral para nossa equipe no jogo contra a Libertadores. Será muito importante."Não adianta ficar só emcima do RobinhoSobre o Santos, os jogadores do Palmeiras elogiam muito o atacante Robinho. Mas ninguém antecipou se o atacante ganhará marcação individual. O volante Marcinho recomenda: "O segredo é não dar espaços para ele. Tem que marcar em cima e não deixar jogar."Para o zagueiro Gláuber, que assumiu a condição de titular há apenas uma semana, já sob o comando de Candinho, o segredo é, além de marcar Robinho, prestar atenção também no outro atacante santista: "O Deivid é um excelente jogador e não podemos dar vacilo com ele um minuto sequer." Claudecir ressalta que Ricardinho e Fábio Baiano são habilidosos e merecem atenção especial.Mas a marcação é só uma das preocupações de Candinho. "Temos que sair para jogar também. Não podemos ficar pensando em jogar fechadinho. Se você só se defende, toma pressão e chega uma hora que acaba sofrendo o gol."No ataque, a esperança palmeirense recai sobre os "baixinhos" Ricardinho e Osmar. Ambos têm 1,73m. "Temos de jogar com a bola no chão, onde podemos levar vantagem", diz Osmar, autor de três gols nos últimos três jogos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.