Canhotinho, ex-ponta do Palmeiras, morre aos 84 anos

Ex-jogador não resiste a uma forte pneumonia; ele fez história no alviverde paulista entre 1943 e 1953

Agência Estado,

28 Julho 2008 | 20h29

O Palmeiras está de luto. Morreu na madrugada desta segunda-feira um dos melhores pontas-esquerdas do clube. Milton de Medeiros, o Canhotinho, faleceu decorrente de uma forte pneumonia, aos 84 anos. O ex-atleta passou mal no sábado, foi levado ao hospital, mas não resistiu. "Ele sofreu um AVC há uns quatro anos e aí piorou", contou Marcelo, seu filho. "Agora pegou uma pneumonia, que gerou insuficiência respiratória." Veja também: Kléber reclama de perseguição da arbitragem e da imprensa Canhotinho fez história no Palmeiras. Começou nas categorias de base e jogou no time profissional entre 1943 e 1953. Conquistou vários torneios, como o Campeonato Paulista (1944, 1947 e 1950) e a Copa Rio de 1951, título que o clube espera que a Fifa reconheça como Mundial. "Jogador como ele está para nascer outro igual", elogiou o goleiro Oberdan Cattani, amigo e ex-companheiro de Palmeiras. "Ele tinha uma habilidade fora do comum, era fantástico." Milton jogava no juvenil quando subiu para a equipe principal em 1943. Ganhou o apelido porque lembrava um meia-direita que atuava no time, o Canhoto. Canhotinho chegou a atuar na seleção brasileira - foi campeão sul-americano em 1949 - e em outros clubes, como o francês Racing. Trabalhou também como técnico da categoria de base do Palmeiras. Oberdan se lembra com saudades do ponta-esquerda. "Quando eu jogava ele ainda estava no juvenil. É mais do que um amigo, é um irmão. E jogaria hoje em qualquer clube do Brasil" O ex-goleiro esteve presente no enterro de Canhotinho, nesta segunda, em São Paulo. "Ele vai deixar saudades, mas a vida é assim."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.