Canindé é o novo lar do Corinthians

O atacante Gil novamente saiu de campo como o melhor da partida. Satisfeito pela atuação, o jogador disse que o Canindé está virando seu campo preferido. Foi assim na goleada sobre a Portuguesa por 4 a 1, e repetiu-se neste sábado nos 3 a 1 sobre o Bangu. Além de ter marcado um gol, o mais bonito do jogo, ele criou muitas jogadas de ataque, com velocidade, formando boa dupla com o lateral-esquerdo Kléber, pelo setor, e se entendendo ainda com os companheiros do ataque, Leandro e Deivid."Como não podemos usar o Pacaembu no Rio-São Paulo, estou mesmo dando sorte no Canindé", disse o atacante. "Graças a Deus fechamos a semana com duas boas vitórias, e agora teremos uns dias de tranqüilidade para trabalhar, com a folga na Copa do Brasil, e pensando no Flamengo, domingo, no Maracanã", disse Gil, que já marcou três gols na competição.Para o atacante, o gramado um pouco pesado, por causa da chuva, atrapalhou um pouco a equipe no primeiro tempo até fazer 1 a 0. A equipe, segundo ele, criou muitas jogadas de ataque, mas não estava dando sorte nas finalizações. "Demos que saiu o primeiro gol, ficamos mais tranqüilos para o segundo tempo", disse o atacante.O técnico Carlos Alberto Parreira, durante a entrevista no fim do jogo, evitou falar que seu time continua com uma média de gols marcados bastante positiva. "Olha, se vencer de meio gol está bom. Não tem esse negócio de ficar dando goleada a todo momento. Ninguém joga contra o vento". disse o treinador, que evitou comemorar a liderança do Corinthians no Torneio Rio-São Paulo, pelo menos até a rodada deste domingo.Ele não se esqueceu de elogiar o empenho da equipe, que desde o começo do jogo foi para cima do adversário. "A classificação ainda longe. É claro que subir na tabela é o nosso objetivo, mas o que buscamos mesmo é a vaga para a próxima fase." Parreira encerrou a entrevista quando os jornalista comentaram sobre a sua "nova" maneira de montar a equipe, mais ofensiva, e não na retranca como o treinador normalmente faz. Quem saiu em sua defesa foi o técnico do Bangu, Miguel Ferreira. "Parreira é muito inteligente, um estudioso do futebol. Ele nunca foi retranqueiro, posso falar isso pelo Parreira, porque já trabalhamos juntos", afirmou Miguel. "Parreira tem em mãos os jogadores para atuar n o ataque, e ele está provando que sabe fazer isso. Sem farinha não se faz bolo, e hoje o treinador do Corinthians tem os ingredientes para jogar ofensivamente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.