Rafael Ribeiro / Vasco
Rafael Ribeiro / Vasco

Cano festeja vitória do Vasco, e Matheus Babi diz que Botafogo merecia o empate

Clássico no Rio de Janeiro termina com vitória por 3 a 2 do time cruzmaltino

Redação, Estadão Conteúdo

13 de setembro de 2020 | 23h14

Vasco e Botafogo fizeram um "Clássico da Amizade" bastante equilibrado no encerramento da 10ª rodada do Brasileirão. Jogando no Engenhão, o time cruzmaltino conseguiu vencer pelo placar de 3 a 2. O atacante Cano, que marcou seu sétimo gol na competição, fez questão de alertar que a equipe ainda tem muito a melhorar em todos os setores, apesar do bom resultado.

"A equipe jogou muito bem durante boa parte do jogo. Mas acredito que precisamos melhorar em todas as linhas (defesa, meio a ataque) para não sofremos como aconteceu neste final de jogo. Mas temos que continuar trabalhando para conquistar bons resultados", disse o centroavante.

Do lado do Botafogo, os dois gols de Matheus Babi não foram suficientes para evitar a derrota.  "Foi muito legal marcar dois gols num clássico, mas infelizmente não deu para nossa equipe vencer. O negócio é continuar trabalhando, porque o grupo é bom e está determinado", disse o atacante.

Após dois gols, Matheus Babi quase marcou o terceiro aos 40 do segundo tempo. A bola explodiu no travessão, ele ficou com rebote já na pequena área e chutou de novo, mas o goleiro Fernando Miguel salvou em cima da linha de gol. "Foi um lance incrível, onde eu pensei que a bola iria entrar. Acho que foi mesmo uma excelente defesa do Fernando Miguel, que é um grande goleiro. O empate seria justo pelo nosso trabalho, porque nós corremos até o final", disse.

No Vasco, quem teve motivo para comemorar foi o atacante Ygor Catatau, que marcou o terceiro gol vascaíno aos 26 minutos do segundo tempo. Foi seu primeiro gol pelo clube, onde vive uma verdadeira história de sonhos. Aos 25 anos, ele praticamente não atuou na base, começou a jogar pelo Madureira aos 20 anos e foi emprestado para o Barra da Tijuca e para o Boa-MG. Em julho chegou a São Januário emprestado até o fim do ano.

"É muita emoção mesmo e nem sei como explicar. Quando fiz o gol foi mesmo difícil de imaginar que isso acontecer comigo, marcando um gol num clássico. É nossa primeira vitória num clássico. Dedico este gol à minha família e aos jogadores que estão trabalhando duro", disse o jogador, com lágrimas nos olhos.

Catatau viveu uma infância difícil, ajudando seu pai como guardador de carros nas ruas do Leblon, desde os 12 anos. Com emoção ele lembrou do pai - Jorge - que ainda trabalha na rua Fadel Fadel, ironicamente bem na esquina com a Gávea, sede do Flamengo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.