Cansaço: o maior inimigo do São Paulo

Os 25 dias de férias impostos pela Justiça do Trabalho serviram para que os jogadores do São Paulo tivessem uma lição sobre a importância da preparação física. Nesta segunda-feira, durante os exames médicos feitos no Hospital do Coração, os atletas estavam animados com as duas vitórias obtidas no Campeonato Paulista, mas admitiram ter sentido bastante o efeito dos poucos dias de preparação para a competição. Ao mesmo tempo, os zagueiros apontaram o cansaço como o grande vilão nos gols sofridos pela equipe até agora.O zagueiro Rodrigo é um dos que afirmam ter passado dificuldades em campo. "A gente está se adaptando a um jeito novo de jogar e passando por treinos físicos diariamente. Por isso, em alguns momentos do jogo, a gente não tinha gás nem para falar", afirmou o defensor. Segundo ele, o cansaço que todos vêm sentindo é normal levando em consideração o pouco tempo de treinamento. "E com o cansaço vem o complemento: a cabeça não funciona bem." Mas Rodrigo disse que o problema do condicionamento físico não deve prejudicar o São Paulo por muito tempo, assim como a adaptação do esquema 3-5-2, utilizado no ano passado, para o 4-4-2 que o técnico Leão tem buscado implementar na equipe para o Estadual. "Acredito que todo mundo estará bem lá pela sexta rodada", avaliou o jogador.DIFICULDADES - O zagueiro Lugano tem o mesmo ponto de vista do companheiro de defesa. "Depois de um mês de férias e pouco mais de uma semana de treino é lógico que a gente não esteja 100% e até por isso as duas vitórias que conseguimos foram mais importantes", avaliou o jogador. Segundo ele, a falta de condicionamento físico, mais do que a mudança tática, está trazendo dificuldades ao time. "Jogar no 4-4-2 não é problema. É o sistema tático mais velho do mundo e todo mundo já atuou algum dia nesse esquema." Apesar das dificuldades iniciais, Lugano acredita em benefícios a longo prazo. "Pelo menos os preparadores físicos costumam dizer que é bom que o jogador tenha um tempo para descansar a musculatura antes de voltar a treinar. Acho que estamos sofrendo um pouco agora, mas essas férias farão diferença mais tarde, pois teremos cerca de 70 jogos nesta temporada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.