Kirsty Wigglesworth/AP - 09/08/2010
Kirsty Wigglesworth/AP - 09/08/2010

Capello ajudará candidatura inglesa para Copa de 2018

'A Inglaterra é o berço do futebol e temos que levar isso em conta', afirmou o técnico

AE-AP, Agência Estado

26 de novembro de 2010 | 09h05

O técnico italiano Fabio Capello buscará aproveitar as relações cultivadas durante 50 anos no futebol para ajudar a candidatura inglesa a conseguir vencer a disputa pela sede da Copa do Mundo de 2018. A votação será realizada no dia 2 de dezembro, na reunião do Comitê Executivo da Fifa, e também definirá o país que receberá o Mundial de 2022.

Capello fará parte da delegação inglesa em Zurique, que também contará com a presença do príncipe William, o ex-capitão da Inglaterra David Beckham e Bobby Charlton, integrante da seleção que conquistou o título da Copa do Mundo de 1966.

"Trabalhei em três países, Itália, Espanha e Inglaterra, e conheço muita gente porque comecei a jogar como profissional quando tinha 18 anos. Agora tenho 64", disse o atual técnico da seleção da Inglaterra. "Estou ansioso para me reunir com eles. Recordarei que este é o país onde nasceu o futebol, é importante. A Inglaterra é o berço do futebol e temos que levar isso em conta", completou. "Simplesmente, é o melhor país para organizar o Mundial".

A Inglaterra só sediou a Copa do Mundo em 1966. Para receber a principal competição do futebol em 2018, terá que superar a concorrência da Rússia e das candidaturas conjuntas de Espanha e Portugal e Holanda e Bélgica.

Capello, que assumiu a seleção da Inglaterra em 2008, está convencido de que a qualidade dos estádios do país supera qualquer outro da Europa. "Na Espanha, nem todos os estádios são propriedade dos clubes", disse o ex-técnico do Milan, Roma e Real Madrid. "Aqui se encontra de tudo, a infraestrutura é a melhor. Algo muito importante é a segurança dos estádios".

Apesar de ter sido criticado pelo desempenho da Inglaterra na última Copa do Mundo, Capello disse que se surpreendeu com a tolerância no país. "A Inglaterra é uma nação multiétnica, e todos os países que jogam aqui encontram gente de sua própria origem, nascida aqui", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.