Reuters / Stringer
Reuters / Stringer

Capello pede para seleção italiana começar do zero: 'Qualidade do time não é boa'

Técnico também comenta sobre situações das seleções russa e inglesa, que já treinou no passado

Estadão Conteúdo

03 de abril de 2018 | 13h14

O técnico italiano Fabio Capello concedeu nesta terça-feira entrevista ao site da Fifa. Sem clube desde a saída do Jiangsu Suning, da China, em março deste ano, o treinador de 71 anos falou sobre suas expectativas para a Copa do Mundo da Rússia e analisou a situação das três seleções que tem mais identificação: a italiana, que ficou de fora do Mundial, além da inglesa e da anfitriã russa.

+ Fifa divulga lista de árbitros da Copa e confirma trio liderado por Sandro Ricci

+ Novo técnico da seleção da Itália será anunciado no dia 20 de maio, diz federação

+ Com Brasil e Argentina, Buffon aponta as seleções favoritas ao título da Copa

Capello chegou a atuar pela Itália entre 1972 e 1976. Também foi no futebol de seu país de origem onde conseguiu a principal conquista como técnico. Na temporada de 1993/1994, ele levou o Milan ao título da Liga dos Campeões.

"Foi muito triste vê-los fora (da Copa). Nós costumávamos ser protagonistas no mundo do futebol e ganhamos a Copa do Mundo por quatro vezes. Mas, neste momento, o futebol italiano não tem muitos jogadores talentosos e a qualidade do time não é muito boa", afirmou.

Na opinião dele, o momento é para repensar o que foi feito e começar um novo trabalho do zero. "Temos que ver onde erramos e tentar produzir algo diferente, baseado nas características dos jogadores italianos, e não copiando as características dos outros."

Capello chegou a disputar a Copa de 1974, na Alemanha, como jogador. Mas ele não guarda boas recordações. "Fiz um gol inútil contra a Polônia porque perdemos o jogo por 2 a 1 e acabou custando a eliminação. A Argentina acabou se classificando pela diferença de gols. Havia muitos imigrantes italianos torcendo por nós, mas voltamos para casa após os jogos da fase de grupos", finalizou.

EXPECTATIVA SOBRE A RÚSSIA

Como treinou a seleção da Rússia entre 2012 e 2015, ele tratou de acalmar os ânimos daqueles que têm algum receio quanto a segurança do país. "Não deverá ter problemas. A Rússia é um excelente país, as pessoas lá são ótimas também. Eles investiram muito para receber a Copa e a segurança é muito boa. Eles vão querer demonstrar uma boa impressão para o mundo que estará acompanhando o torneio."

Capello comandou o time russo na Copa de 2014 e foi eliminado logo na primeira fase em um grupo que teve como classificados Bélgica e Argélia. A Coreia do Sul completou a chave. Para o Mundial deste ano, ele acredita que as donas da casa podem surpreender.

"Eles vão passar da primeira fase. Eu aprendi muito e ensinei durante minha passagem pela Rússia. Espero que esse aprendizado possa ajudar esse time a conseguir bons resultados e ir o mais longe possível nessa Copa do Mundo. Seria mais um grande sucesso para essa nação que tem investido pesadamente no futebol", afirmou.

SELEÇÃO INGLESA

Antes de assumir a Rússia, Capello esteve à frente da seleção inglesa, entre 2007 e 2012. Na Inglaterra, ele ajudou a equipe ir até as oitavas de final da Copa do Mundo da África do Sul em 2010 - a seleção foi eliminada pela Alemanha com uma derrota por 4 a 1.

O treinador comentou o fato de sempre haver muita expectativa em torno da seleção inglesa, mas na Copa do Mundo a equipe acabar decepcionando. No Mundial do Brasil, por exemplo, a equipe foi eliminada na primeira fase, terminando na lanterna de sua chave, que teve Costa Rica e Uruguai como classificados - a Itália foi a outra seleção que deu adeus precocemente na chave.

"Para essa Copa do Mundo, a Inglaterra tem jogadores jovens, com grande talento e muita sabedoria. É possível que esses jovens não sintam tanto a pressão, devem jogar sem tensão. Um problema chave, na minha opinião é que os atletas chegam fisicamente cansados para a Copa e enfrentam outros times, com jogadores que estão no meio da temporada", finalizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.