Capello quer continuar na Rússia até a Copa do Mundo de 2018

O italiano, que comanda a seleção há 2 anos, disse que fez um bom trabalho ao conseguir colocar o time para disputar a Copa de 2014

AE, Agência Estado

27 de junho de 2014 | 21h17

O italiano Fabio Capello, atual técnico da seleção da Rússia, afirmou nesta sexta-feira que deseja continuar a treinar a equipe russa até a Copa do Mundo de 2018, que será disputado no país. Em janeiro, o treinador teve o seu contrato renovado até o ano da competição, se tornando o técnico mais bem pago entre todos os que comandam seleções no Mundial e diz que sua vontade é cumprir o vínculo até o fim.

Capello espera que a eliminação da Rússia ainda na fase de grupos não atrapalhe a continuidade de seu trabalho à frente da equipe. Os russos foram eliminados do Grupo H na última quinta, após não conseguirem vencer a Argélia mesmo saindo na frente do placar. O jogo, em Curitiba, terminou empatado em 1 a 1. "Se quiserem que eu fique, eu ficarei", afirmou.

Há dois anos no comando da equipe russa, Capello realizou um trabalho de renovação e convocou muitos jogadores que atuam no futebol do país para o Mundial deste ano. O veterano treinador de 68 anos diz não se arrepender das decisões que tomou à frente da equipe. "Com este time nos classificamos para uma Copa pela primeira vez em 12 anos. Acredito que o trabalho foi bem feito até agora. O único arrependimento é não termos nos classificados para as oitavas de final", avaliou.

O treinador classificou a Copa do Mundo deste ano como a melhor entre todas aquelas que assistiu ao longo de seus mais de 50 anos de carreira no futebol. Capello ressaltou a alta velocidade dos jogos e a qualidade dos atletas que se apresentam no Brasil. "O ritmo é muito intenso e a qualidade é excelente. Trata-se definitivamente de um grande Mundial", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.