Capez aprova iniciativa de Citadini

O promotor Fernando Capez, que trava há anos uma luta contra a violência das torcidas organizadas, aprova a postura do vice-presidente de Futebol do Corinthians, Antônio Roque Citadini, de tentar inibir a ação desses grupos no Parque São Jorge. "É a primeira reação de afirmação de autoridade de um clube com relação a esse tipo de problema", avalia. Capez afirma que, nos últimos anos, as associações esportivas vêm adotando uma posição de passividade em relação aos episódios de depredação de patrimônio ou tentativas de agressão envolvendo atletas. O promotor confirma que várias investigações foram prejudicadas pelo fato de os dirigentes não denunciarem formalmente o problema por meio de boletim de ocorrência. Segundo Capez, nos últimos tempos, os clubes têm dado mais importância aos chefes das torcidas do que deveriam. "Chegamos ao ponto de alguns jogadores precisarem organizar jantar para pedir proteção", lamenta o promotor. Para ele, a diminuição da violência no futebol passa pelo trabalho preventivo feito dentro dos clubes para inibir a ação das torcidas organizadas. Capez considera positiva a iniciativa do Corinthians de restringir a presença de torcedores não-sócios nas dependências do clube, especialmente durante os treinos, e impedir a invasão das áreas de uso exclusivo dos atletas. "Fica mais fácil ajudar a quem se ajuda", diz o promotor. Propostas - Capez está elaborando propostas para inibir a violência no futebol que serão encaminhadas ao senador Álvaro Dias, relator da CPI do Futebol. Entre as idéias está a de fazer que os atos de agressão promovidos por torcedores sejam considerados crimes inafiançáveis e a nomeação de juízes do Superior Tribunal de Justiça Desportiva por meio de concurso público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.