Reuters
Reuters

Capitães das seleções da Holanda promovem boicote a programa de TV por racismo

Van Dijk e Van Veenendaal cobram atitude contra apresentador que continuamente tem gerado polêmica no país

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2020 | 12h00

Os capitães das seleções masculina e feminina de futebol da Holanda organizam boicote a um programa de TV do país pelos contínuos comentários de cunho racista. O zagueiro Virgil Van Dijk, do Liverpool, e a goleira Sari Van Veenendaal, do Atlético de Madrid, querem que a população deixe de acompanhar e os patrocinadores não invistam mais dinheiro em uma atração chamada Veronica Inside, do canal Talpa.

Segundo o jornal inglês The Guardian, o principal motivo da comoção são os comentários de um dos apresentadores, o ex-jogador de futebol Johan Derksen, de 71 anos. Nos protestos recentes dos movimentos antirracistas pelo mundo, começados nos EUA, Derksen comparou a fisionomia de um dos manifestantes a um personagem do folclore holandês chamado Zwarte Piet, que atua como ajudante do papai noel e usa maquiagem preta no rosto.

A ligação proposta entre o manifestante e o personagem causou polêmica na Holanda porque apesar da figura natalina ser popular entre as crianças, faz referência à epoca em que os atores negros não podiam atuar no cinema, teatro e na televisão e eram substituídos por brancos que recebiam uma maquiagem facial. Em nota, a emissora minimizou o episódio e disse que não se responsabiliza pelos comentários do apresentador.

"Isso não tem mais lugar e não tem mais nada a ver com humor. Esta não é a linguagem do futebol. Cruzou a linha. Não é a primeira nem a segunda vez. Repete-se sempre. Basta", escreveram os dois capitães em um manifesto. O ex-jogador da seleção holandesa, Edgard Davids, também criticou o apresentador. "Não é a primeira vez que coisas racistas foram ditas e quase sempre isso tem sido deixado de lado. Agora todo mundo já está cansado disso", afirmou.

O apresentador questionado teve outras polêmicas no passado por comentários considerados preconceituosos. Recentemente ele afirmou que uma mulher holandesa da política com origem familiar no Suriname parecia um macaco. Depois, Derksen comentou que o nível do futebol amador holandês estava ameaçado pelo aumento da presença de atletas marroquinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.