Capitão corintiano demonstra alívio

Os jogadores do Corinthians receberam a notícia oficial da saída do técnico Daniel Passarella na tarde de hoje e, em seguida, tiveram uma conversa com o argentino e com o treinador interino, Márcio Bittencourt. O capitão Ânderson, pela primeira vez desde o início da crise, falou em nome do grupo e não quis revelar o teor da reunião, nem fez críticas diretas a Passarella - que pode seguir no clube como diretor internacional -, mas deixou transparecer certo alívio pela troca de comando. "Precisamos de uma motivação para tirar o time dessa situação", afirmou o zagueiro. "Eu não tive problema nenhum com ele (Passarella), mas eu vi o que aconteceu no afastamento do Fábio Costa, do Roger, até do Gil quando saiu do time. Acho que ele tentou fazer o melhor, mas é claro que não conhece a característica de alguns jogadores, por ser estrangeiro." Ânderson mostrou-se também feliz e confiante em relação a Márcio Bittencourt. "Tem dois anos que ele está aqui, se tiver a oportunidade, vai ajudar bastante. Ele já conhece todos os jogadores", afirmou. "Com certeza, se for perguntado para nós se o Márcio tem a capacidade para assumir, vamos dizer que tem." O capitão corintiano não se mostrou nem um pouco surpreso com a demissão do treinador argentino. "O Corinthians vive de resultados.Ficamos vários jogos sem perder, mas depois ficamos fora da Copa do Brasil, fomos goleados pelo São Paulo. A pressão é normal e quando acontece isso, é normal demitirem o treinador", disse, revelando que ficou sem dormir após perder de 5 a 1 do São Paulo, no domingo. Por último, Ânderson negou que o time tenha jogado mal de propósito para derrubar o técnico e disse não haver problemas internos no elenco. "Não tem laranja podre no Corinthians. Não tem dois ou três grupos. Não é porque aconteceu essa derrota que a gente vai deixar de acreditar nesses jogadores", disse, acrescentando ainda que os dois argentinos do time estão perfeitamente adaptados. "O Sebá e o Carlitos sempre fizeram o melhor. São jogadores de grupo, que ajudam."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.