Michael Dalder/Reuters
Michael Dalder/Reuters

Capitão da Suécia elogia Kane, mas promete 'fazer o possível' para pará-lo

Andreas Granqvist disse ainda que não se incomoda com o favoritismo da Inglaterra

Estadão Conteúdo

06 Julho 2018 | 09h58

O zagueiro Andreas Granqvist garantiu que vai encarar sem medo o desafio de marcar o atacante inglês Harry Kane, artilheiro da Copa do Mundo com seis gols até o momento. Os jogadores vão se enfrentar em partida entre Suécia e Inglaterra pelas quartas de final da Copa do Mundo, às 11 horas (de Brasília) deste sábado, em Samara.

+ Mário Fernandes diz que verá partida do Brasil e prevê 'grande jogo' com Croácia

+ Técnico da Suécia diz que seleção é 'fácil de analisar, mas difícil de vencer'

+ Seleção de 2018 aprendeu com os erros da Copa de 2014, avalia Parreira

"Será um duelo duro, ele é um atacante muito bom e perigoso dentro da área, mas temos a intenção de pará-lo. Vamos fazer todo o possível para conseguir", afirmou o capitão da Suécia em coletiva de imprensa concedida nesta sexta-feira, em Samara. Granqvist adota cautela para projetar o restante do Mundial.

"Nós pensamos partida a partida. Estar nas quartas de final de uma Copa do Mundo é um feito muito grande. É preciso dar um passo de cada vez. Esperamos conseguir um bom resultado e, se isso acontecer, aí sim poderemos falar sobre a fase seguinte", receitou o defensor, que nesta quinta-feira se tornou pai.

"Ser pai de uma filha é o que há de mais maravilhoso, mas também é maravilhoso disputar um jogo de quartas de final de Copa do Mundo com a equipe de seu país. Quero entrar em campo para dar tudo de mim", disse Granqvist, que ainda não conhece a recém-nascida.

 

O capitão sueco não se incomoda com o favoritismo da Inglaterra. "Não somos a melhor equipe no papel e não temos as melhores peças individuais, mas somos unidos e um grande time. Para passarmos, devemos fazer tudo muito bem feito e dar 100%", comentou o zagueiro, "em casa" na Rússia por ter defendido o FC Krasnodar de agosto de 2013 a janeiro de 2018.

"Foram cinco anos magníficos nesse país. Não falei com nenhum amigo meu que joga na seleção russa sobre nos enfrentarmos porque primeiro devemos passar de fase", disse o defensor sobre um possível confronto entre as Suécia e Rússia na semifinal da Copa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.