Khaled Desouri/AFP
Khaled Desouri/AFP

Capitão da Suíça elogia Neymar, mas avisa: 'Nós vamos atacar'

Stepan Lichtsteiner esconde plano tático suíço e promete ofensividade para conter ataque brasileiro

Ciro Campos e Leandro Silveira, enviados especiais / Rostov, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2018 | 10h02

Uma Suíça que respeita, mas também tem planos ousados de jogo. O lateral-direito e capitão do time, Stephan Lichtsteiner, fez vários elogios a Neymar neste sábado, véspera da partida contra a seleção brasileira pela Copa do Mundo da Rússia, em Rostov, porém deixou claro que a admiração pelo adversário e a vocação suíça para se defender terão limites. A promessa dele e da equipe é de também serem ofensivos.

+ Brasil lidera o desafio de acabar com a hegemonia europeia em Copas

+ Com jeitinho brasileiro, amigos fzem marcação cerrada no time de Tite

+ "Contra grandes, sempre jogamos bem", diz goleiro da Suíça

O experiente jogador de 34 anos, recém-contratado pelo Arsenal, da Inglaterra, disse em entrevista coletiva na Arena Rostov que a Suíça não ficará presa somente na defesa na partida de estreia na Copa, neste domingo, contra o Brasil. "Não é o momento de abrir nosso plano tático porque acho que temos de manter isso entre nós. Mas vamos atacar também", afirmou o capitão.

Lichtsteiner passou dez temporadas no futebol italiano, onde passou por Lazio e Juventus, e se tornou um grande marcador. O lateral é um dos mais experientes da seleção suíça e disputa pela terceira vez uma Copa do Mundo. O jogador afirmou que, por ser o líder do elenco, tem falado aos companheiros para evitarem se sentir pressionados pela elevada expectativa existente no país para passar da fase de grupos.

 

Na última Copa, a Suíça foi eliminada pela Argentina nas oitavas de final, quando perdeu na prorrogação em São Paulo depois de uma jogada individual de Messi para gol de Di Maria. Nos últimos anos a seleção evoluiu na parte ofensiva, ao chegar às oitavas de final da Eurocopa de 2016 e fechar as Eliminatórias para a Copa com uma média de dois gols por partida.

O capitão da equipe afirmou que, apesar de estarem acostumados a enfrentar grandes jogadores, não terá como anular Neymar na partida deste domingo. "Acho que é praticamente impossível neutralizar Neymar totalmente em 90 minutos, porque depois do Ronaldo ele é o melhor, o mais completo nessa posição no mundo. A questão é impor a nossa forma de jogar, a nossa força, usar os laterais como arma", explicou.

 

A seleção da Suíça desembarcou em Rostov, cidade da estreia, na noite de sexta-feira e acabou surpreendida pelo forte calor, acima de 30ºC durante o dia. A equipe tem se preparado para a Copa na cidade de Tolyatti, na região de Samara, onde a máxima fica por volta dos 20ºC. Lichtsteiner nega, porém, que o fato de o Brasil estar em Sochi, cidade com temperatura mais elevada, possa significar uma vantagem.

"Acho que seria fácil demais responder que vamos perder por causa do clima. No futebol não se pode dar desculpa. Temos uma mentalidade vienense, de não arrumar justificativas. A temperatura não pode ser desculpa, portanto", explicou o jogador.

A partida de estreia da seleção brasileira, contra a Suíça, está marcada para este domingo, com início às 15h (horário de Brasília).

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.