Karim Sahib/AFP
Karim Sahib/AFP

Capitão do Kashima exalta força do River, mas projeta 'terminar bem' o Mundial

Yasushi Endo diz que equipe japonesa tem orgulho de ser a atual campeã asiática e de representar seu continente

Redação, Estadão Conteúdo

20 de dezembro de 2018 | 12h18

A derrota por 3 a 1 para o Real Madrid, sofrida na última quarta-feira, em Abu Dabi, pela semifinal do Mundial de Clubes da Fifa, foi uma espécie de "choque de realidade" para o Kashima Antlers. O time tinha a esperança de surpreender a equipe espanhola para avançar à luta pelo título, mas agora se vê obrigado a mudar o seu foco para a disputa do terceiro lugar da competição, neste sábado, às 11h30 (de Brasília), contra o River Plate.

Ao projetar o duelo, o capitão do time japonês, Yasushi Endo, deixou claro que não se ilude com o fato de a equipe argentina ter sido surpreendida pelo Al Ain na outra semifinal, mas ressaltou a importância de o Kashima fazer o máximo para conseguir encerrar a sua campanha no torneio de forma positiva nos Emirados Árabes Unidos.

"Nós queremos terminar bem a competição", disse o meio-campista. "Nós sabemos que o River Plate é muito forte e tem uma grande tradição. Sim, eles perderam contra o Al Ain, mas isso não significa que é um time inferior - é justamente o contrário. Eles vão ser fortes e sabem o que têm de fazer para ganhar, assim como nós, então vai ser uma grande disputa", reforçou o atleta.

O jogador também comentou o fato de que o Kashima jogará a decisão do terceiro lugar depois de ter sido um surpreendente finalista do Mundial de 2016, quando foi superado também pelo Real Madrid. Ele admite que aquela experiência de dois anos atrás "vai ajudar" contra o River, mas enfatizou que o mais importante é o time apostar no seu bom momento no cenário continental.

"Nós estamos aqui como campeões asiáticos desta vez. Nós temos o orgulho e a responsabilidade de mostrar nosso futebol e mostrar a força do futebol asiático nesta competição. Nós estamos visando a conquista deste terceiro lugar", destacou.

Em 2016, quando foi derrotado por 4 a 2 na decisão do Mundial de Clubes, o Kashima jogou a competição, realizada então no Japão, como representante do país-sede. Naquela ocasião, só caiu diante do Real Madrid na prorrogação, após empate por 2 a 2 no tempo normal. Desta vez jogando como time anfitrião, o Al Ain repetiu o feito da equipe japonesa ao passar pelo River nos pênaltis, terça-feira, na semifinal, após igualdade por 2 a 2 nos 90 minutos inicial e também no tempo extra.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.