Careca: Rivaldo devia pedir para sair

Assim que o árbitro escocês Hugh Dallas apitou hoje o final do jogo em que o Brasil perdeu por 1 a 0 para Uruguai, em Montevidéu, Careca, ex-atacante da seleção, foi "refrescar as idéias", regando o jardim de sua casa em Campinas. "Precisava recuperar o ânimo. Que desepero!", lamentou. "Jesus do céu, se fosse o Rivaldo, pedia para nunca mais ser convocado. É muito ?queima-filme?, ainda mais para um atleta de alto nível. Fiquei decepcionado." De acordo com Careca, somente Juninho salvou-se. "Teve coragem, não se intimidou e é o exemplo do que os atletas devem fazer em campo. Não dá para ficar esperando só o Romário decidir." Careca apontou o principal problema da seleção hoje: não apresentou um padrão de jogo. "A defesa esteve horrível e não teve uma jogada que prestasse pelo lado esquerdo. Faltou criatividade e espírito coletivo. Os atletas tentaram resolver sozinhos." Para o ex-volante Clodoaldo, tricampeão do mundo, o Brasil ficou apenas na vontade. "Pelo menos manteve o espírito de vencer, característica do Felipão. Mas faltou futebol. Garra e vontade não são suficientes." O técnico uruguaio Dario Pereyra disse que a seleção de seu país foi mais disciplinada taticamente, marcou melhor - principalmente Romário e Rivaldo - e teve eficiência no meio-de-campo. "Hoje é muito mais fácil fazer gol de contra-ataque e o Uruguai buscou isso mais que o Brasil." Ele acredita, porém, que a seleção brasileira se classificará para a Copa. "Não é o fim do mundo." O uruguaio Sérgio Ramirez, técnico do São José, gostou do resultado. "Para nós era um jogo de vida ou morte. O Brasil ainda pode conseguir a vaga, mas temo pelo emocional dos atletas, pressionados por precisarem vencer."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.