Mauricio Dueñas Castañeda/EFE
Mauricio Dueñas Castañeda/EFE

Carille comemora ponto conquistado na estreia na Libertadores

Técnico corintiano celebra empate por 0 a 0 diante do Millonarios

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

01 Março 2018 | 07h00

O técnico Fábio Carille viu dois tempos distintos no empate por 0 a 0 diante do Millonarios, na Colômbia, na noite desta quarta-feira, na estreia do Corinthians na Libertadores. Por isso, ele considerou o empate um bom resultado. 

+ Corinthians empata na estreia na Libertadores

"Nosso primeiro tempo não foi bom. Isso precisa ser destacado. No segundo tempo, nós conseguimos ajustar a marcação. Pelos dois tempos - Millonarios melhor no primeiro e o Corinthians melhor no segundo -, o empate foi o melhor resultado", disse o treinador em entrevista coletiva no estádio El Campín. 

Pensando nos próximos confrontos, o treinador avalia que conquistar um ponto fora de casa foi importante e deve ser comemorado. "A nossa estratégia era buscar a vitória, mas por tudo o que aconteceu no primeiro tempo, temos de comemorar o ponto conquistado. Em uma competição difícil como a Libertadores, é importante somar pontos fora de casa", completou o treinador. 

A altitude de 2600 metros da cidade de Bogotá não foi um problema, na visão do treinador. Os jogadores tiveram dificuldades apenas na parte técnica, para controlar a força e a intensidade dos chutes. "Minha ideia era controlar ainda mais o jogo para o time não sentisse, mas nós conseguimos suportar bem", afirmou. 

O destaque da equipe foi o setor defensivo. Praticamente sem falhas, os zagueiros Henrique e Balbuena anularam a jogada aérea do rival. Cássio levou praticamente um susto no jogo todo, quando o atacante Ayron Del Valle, o único perigoso, cabeceou sozinho, mas errou no final do primeiro tempo. 

O esquema sem o camisa 9, a referência na área, não funcionou tão bem como no clássico com o Palmeiras. Embora tenha se defendido com eficiência, o time não teve força para atacar. As alterações de Carille na etapa final, com Júnior Dutra e Sheik, não alteraram o panorama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.