JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Carille comemora 'vitória grande', mas pede atenção total para o Corinthians

Técnico não vê nada decidido em confronto pela Sul-Americana

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2017 | 00h45

A vitória por 2 a 0 do Corinthians sobre o Universidad do Chile fez com que a equipe alvinegra conseguisse uma larga vantagem para o confronto da volta, marcada para o dia 10 de maio, no Chile. Ao final da partida, o técnico Fábio Carille destacou a importância do resultado e reforçou a qualidade do adversário.

"Sabíamos da dificuldade, pois jogamos contra um time que joga há muito tempo junto. Não conseguimos encaixar a marcação e eles foram superiores a nós no primeiro tempo e melhoramos na segunda parte do jogo. Foi uma vitória grande contra uma equipe qualificada", destacou o treinador corintiano.

Com a vantagem, o Corinthians pode perder por um gol de diferença ou por dois, desde que faça um gol (3 a 1 ou 4 a 2, por exemplo). Mesmo assim, o treinador não acredita que a classificação está assegurada.

"A vantagem é grande, mas não podemos pensar em ir tranquilos. A equipe propôs o jogo e colocamos a bola no chão. Agora é voltar a pensar no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil", destacou Carille.

Para Jadson, apesar das dificuldades, o time até poderia ter vencido por um placar mais dilatado. "No primeiro tempo, a gente deixou eles trabalharem mais a bola e ficamos pouco com a bola, mas a gente conseguiu fazer o gol com o Rodriguinho. No segundo tempo, eu fiz mais um e ainda tivemos chance de ampliar com o Jô e o Clayton. Estamos de parabéns pelo bom resultado, mas ainda têm mais 90 minutos", lembrou.

O Corinthians volta a campo no domingo, para enfrentar o Botafogo-SP, novamente na Arena Corinthians. No primeiro jogo, as equipes empataram sem gols. Uma vitória simples garante o time alvinegro na semifinal do estadual.

Tudo o que sabemos sobre:
CorinthiansFutebolCopa Sul-americana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.