Carille deve escalar sete jogadores da base do Corinthians na quinta-feira

Treinador contou com o retorno de Pablo e Jô, que não participaram do último treino da equipe

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2017 | 14h26

O técnico Fábio Carille praticamente definiu o Corinthians para a partida diante do Red Bull Brasil, quinta-feira, às 17h, no Itaquerão, pela 10ª rodada do Campeonato Paulista. Os titulares não serão poupados, mas sete jogadores da base devem ser escalados: Jô, de uma geração mais antiga, Léo Príncipe, Pedro Henrique, Arana, Maycon, Pedrinho e Léo Jabá. Pedrinho, um dos destaques da Copa São Paulo de Juniores, fará sua estreia como titular.

A única dúvida da equipe é no gol: Caíque França e Cássio se revezaram no treinamento. Como Cássio participou de todos os jogos do Corinthians na temporada, a comissão técnica cogitou a possibilidade de poupá-lo para o clássico contra o São Paulo, no próximo domingo. A tendência, no entanto, é que ele seja o titular nesta quinta-feira.

O Corinthians tem nove desfalques para o jogo. Além de Jadson, suspenso, e de dois atletas defendendo seleções nas eliminatórias (Fagner, na seleção brasileira, e Romero, no Paraguai), o técnico Fábio Carille tem ainda seis atletas no departamento médico: Camacho, Matheus Vidotto, Balbuena, Kazim, Marquinhos Gabriel e Giovanni Augusto.

Dos 28 inscritos no Paulista, Corinthians só tem 18 jogadores à disposição para o jogo desta quinta-feira. Apesar de poder contar com até 12 atletas no banco de reservas, Carille terá apenas sete.

"Nos treinos é que ganhamos nosso espaço. Os jogos são importantes, claro. Mas é nos treinos que nos preparamos. São as nossas oportunidades diárias para mostrarmos que somos capazes para os companheiros, comissão e diretoria", afirmou o meia Maycon em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira.

Carille contou com o retorno do zagueiro Pablo e do atacante Jô, que não haviam treinado na terça-feira. O meia Marlone não treinou no campo, pois negocia sua transferência para o Atlético Mineiro.

O volante Gabriel reconhece que a maratona de jogos dificulta a realização de treinos técnicos, para corrigir eventuais falhas. "Esse começo de ano está muito intenso, com jogos no meio e fim de semana. Não tivemos uma semana inteira de treinamento desde a estreia. Isso atrapalha, porque não pode nem treinar muito. É mais jogo e descanso. Mas o nosso nível melhorou bastante", disse Gabriel, que também participou da entrevista coletiva desta quarta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCorinthiansCampeonato Paulista

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.