Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Carille diz evitar pensar em título para não pressionar o Corinthians

Técnico admite momento tranquilo da equipe na temporada, mas pede pés no chão e evolução defensiva

Ciro Campos, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2017 | 19h16

Líder do Campeonato Brasileiro, invicto na competição e sem perder clássicos na temporada, o Corinthians usufrui de uma tranquilidade que não se traduz em otimismo. O técnico do time, Fábio Carille, frisou neste domingo, após a vitória em casa por 3 a 2 sobre o São Paulo, que não conversa com os jogadores sobre a chance de título nacional para evitar pressão e euforia desnecessárias.

O treinador relembrou que mesmo em ocasiões anteriores, como no começo da temporada, também preferiu ter os pés no chão ao fazer projeções. "É uma linha de trabalho que eu criei. Mesmo quando fomos criticados, nunca fiz comentários. Gosto de pensar jogo a jogo. Vou continuar com esse discurso, em vez de pensar no que pode acontecer lá na frente", disse o técnico, que nesta temporada foi campeão paulista.

Carille assumiu o comando do Corinthians neste ano e tem superado a desconfiança. Mesmo novato, não perdeu os sete clássicos disputados no ano, dois deles pelo Brasileiro, com vitórias sobre Santos e São Paulo. "Ainda temos muito a evoluir. Quando fizemos 3 a 1 no jogo, em vez de querer fazer o quarto gol logo, poderíamos ter rodado mais a posse de bola. Precisamos ter menos pressa para marcar", comentou.

O técnico diz não ter se incomodado pela defesa ter levado quatro gols nas duas últimos jogos, pois em contrapartida o Corinthians marcou cinco vezes e tem agora o segundo melhor ataque do campeonato, atrás apenas do Grêmio. "Lógico que é muito bom não tomar gol, é a nossa marca. Mas temos que buscar o equilíbrio também", disse.

O elenco corintiano se reapresenta aos trabalhos na manhã de segunda-feira, no CT Joaquim Grava. O próximo compromisso é na quarta-feira, quando recebe o Cruzeiro, na Arena Corinthians, pelo Campeonato Brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.