Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

Carille encara 'maior desafio do ano' diante do Racing na Sul-Americana

Ainda em busca do time ideal e fora da zona de classificação no Paulista, treinador encara líder do Argentino

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2019 | 04h30

O técnico Fábio Carille vai testar sua força no Corinthians na estreia da Copa Sul-Americana, hoje, em Itaquera. O adversário é o Racing, um dos líderes do Campeonato Argentino e algoz da equipe na mesma competição em 2017. Um tropeço em casa pode comprometer a confiança cega que a torcida deposita em Carille, considerando a irregularidade no Paulistão. O treinador considera o jogo “o maior desafio até agora”.

No início do ano, Carille previa dificuldades com o entrosamento dos novos contratados – até agora foram dez confirmados. Mas afirmou que podia ser cobrado a partir do sexto jogo do Paulistão. Agora. Os números não são favoráveis: três derrotas, duas vitórias e um empate. Com essa campanha, o time está fora da zona de classificação no torneio estadual. 

Na Copa do Brasil, o time tomou sufoco no único jogo feito até agora e conseguiu a classificação nos critérios de desempate depois de um 2 a 2 diante do Ferroviário, do Ceará. O grande resultado na temporada foi a vitória sobre o Palmeiras fora de casa, por 1 a 0

Os resultados ruins são reflexo de atuações fracas. O treinador confessa que ainda não encontrou um padrão tático em 2019. Em alguns jogos, ele reeditou o esquema de 2017; em outros, forçou a jogada aérea.

A equipe precisa de mais profundidade e peca pela falta de objetividade. São poucos atletas dribladores. Das dez contratações, apenas André Luiz e Gustavo são incisivos. E o elenco também está devendo. Os reforços ainda não conseguiram grandes atuações, como o volante Ramiro e o meia Sornoza.  “O Carille passa a forma de jogar e quem executa são os jogadores. Temos buscado uma forma de melhorar. É nítido que precisamos melhorar”, disse o meia Jadson. 

Como o padrão tático não está definido, o time vai depender das individualidades. E a principal delas é o atacante Gustagol. Ele se firmou como principal atacante da equipe ao aproveitar o período de adaptação de Vagner Love e Mauro Boselli. É o artilheiro do time na temporada com cinco gols em oito jogos.

E, curiosamente, faz sua estreia em um torneio continental. Revelado pelo Taboão da Serra em 2014, foi contratado pelo Criciúma e teve breve passagem pelo Nacional, de Portugal, onde disputou só torneios nacionais. “Vai ser minha primeira vez. Acho que deve ser muito diferente, ainda mais contra um time argentino, que deve bater bastante (risos).”

O time tem dúvida no gol. Com dores na coxa direita, Cássio não treinou e pode ficar fora da estreia na Sul-Americana. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.